Textos, Imagens, Humor, Críticas, Literatura, Música, Filmes, Séries, Desenhos, Quadrinhos, Internet, Notícias e alguma sacanagem sadia...

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Falando de Sexo - Com a Dra. Adelaide Vassa


O VemAquiNoMeuBlog inaugura uma nova seção entitulada "Falando de Sexo", com a apresentação da experiente Doutora Adelaide Vassa, Sexóloga e Psicóloga formada pela conceituada Universidade de Massachussetts.

A seção tem o claro intuito de responder todas as dúvidas sobre sexo e falar sobre os vários elementos da sexualidade humana com o respaldo e o embasamento de uma profissional altamente credenciada e respeitada no ramo.

Como as dúvidas sobre sexo sempre foram inúmeras e instigantes, alguns leitores já mandaram emails para a Dra. Adelaide, que associada ao VemAquiNoMeuBlog, promete responder todas as perguntas sem excessão.

Algumas delas já foram selecionadas por mim, com as devidas respostas dessa competente profissional. Leiam atentamente, afinal, essas também podem ser as mesmas curiosidades suas:

1- Dra, é verdade que durante as preliminares, o seio da mulher pode aumentar cerca de 25% de tamanho? (Antônio L, 23 anos, Curitiba)

Sim, Antônio. Só tome cuidado para não excitá-la demais nessas preliminares pois senão os seios crescerão mais de 50% e sua namorada irá sair flutuando pela janela!

2- Dra, não sou muito experiente em sexo ainda, mas meu namorado insiste em querer transar. No máximo, eu só "brinquei na portinha", se é que você me entende... tenho 27 anos e ainda tenho certo receio em colocar em prática o coito! O que devo fazer? (Adriana M, Minas Gerais)

Se candidata à Santa ou vende sua genitália para o Antiquário, pois só lá eles poderão tirar a teia de aranha e o mofo que deve ter se alojado aí!

3- Eu me masturbo muito, Dra Adelaide! Isso pode me causar algum problema físico ou orgânico?
(Rogério A, 17 anos, São Paulo)

Que nada, Rogério... no máximo você vai ficar com o ante-braço igual o do Popeye!

4- Sou virgem e rolou, pela primeira vez de fazer sexo oral. Terminei engolindo o negócio e quero saber se corro o risco de ficar grávida. Estou desesperada! (Luciane T, 18 anos, Belo Horizonte)

Claro que corre o risco de ficar grávida. E a criança vai sair pelo seu ouvido.

5- Dra. Adelaide, sou muito novinho ainda e muitos na escola já dizem que pareço uma mulherzinha porquê uso franjinha, pinto as unhas, os olhos e adoro andar com as meninas de mão dada... odeio futebol e não suporto as brincadeiras da maioria dos meninos da minha sala! Além do mais, estou achando um rapaz que mora no meu condomínio, lindo de morrer, e algumas vezes, até confesso que fico atraído por ele. Eu sou gay, Dra Adelaide? (Luizinho, 16 anos, Santos)

Viadaço!!!! Não tenha dúvida.

6- Tenho um amigo que quer fazer sexo comigo, mas ele tem um pênis de 24cm Acho que vai ser doloroso, o que faço? (Rosimeire, 25 anos, Piauí)

Manda pra cá que eu testo pra você!

7- Por que, na hora do sexo, quando a gente está no vai e vem, na hora em que o corpo entra em atrito e faz aquele barulho de quem está batendo palmas, a gente fica mais excitado? (Leonardo Z, 27 anos, Rio de Janeiro)

Simples, Leonardo: é porque parece que tem torcida, entende? Da próxima vez grite pra galera e faça uma "ola".


*Bom, essas foram apenas as primeiras perguntas que mandaram pra nossa tão competente Sexóloga. Se você também quiser mandar alguma curiosidade sobre sexo mas sempre teve vergonha de perguntar, não precise se identificar, pode inventar um nome e mandar a pergunta para o email adelaidevassa@yahoo.com.br (É SÉRIO, PESSOAL, O EMAIL EXISTE MESMO!!!). Portanto, mandem suas dúvidas, rs.

CONTINUE LENDO >>

domingo, 27 de fevereiro de 2011

BadernaCast #13 - Falamos sobre "The Walking Dead"!


O BadernaCast é o podcast coletivo no qual participo, e foi criado para o Blog Oultrabadernista, de Alexandre Lessa (o Pimp Mal), e integrado por mim e pelo amigo Rafael Frassetto.

Nesta edição, com a participação especial de Rafael Smok (tabernadosmok.com.br) falamos sobre uma ótima série americana que acabou chamando atenção de muita gente: "The Walking Dead". Inspirado na homônima História em Quadrinho de Robert Kirkman, o seriado foi recorde de audência nos EUA logo em sua estréia e demonstrou um padrão de qualidade que vai desde o perfeito elenco até o excepcional diretor Frank Darabont, que comanda com muito talento e criatividade, a jornada de um pequeno grupo de pessoas por uma cidade devastada depois de um misterioso acontecimento que transformou a maioria da população em zumbis!

Ouça aqui quais foram nossas impressões, opiniões e julgamentos em torno desta série que promete ser um novo gás de aventura, drama e suspense no cenário televisivo:



* Deixe seus comentários (sobre o podcast!!!) para lermos no próximo Baderna!

CONTINUE LENDO >>

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Indiana Jones


O Personagem e suas Aventuras:


Henry Jones Júnior é um indivíduo com vida dupla: além de um pacato professor de Arqueologia, é um aventureiro destemido e pouco convencional, que usa uma pistola, um chicote e um inseparável chapéu e é mais conhecido por Indiana, apelido tirado do nome do cão que tinha quando criança. A maioria de suas aventuras ocorre na década de 30 e 40. No primeiro e terceiro filmes, o herói enfrenta forças nazistas que querem se apossar de famosas relíquias judaico-cristãs, a Arca da Aliança e o Santo Graal, respectivamente, com o intuito de utilizar seus poderes para o mal. O segundo filme ambienta-se na Índia, então colônia britânica, e mostra o arqueólogo em busca das Pedras de Sankara. No quarto filme, ambientado em 1957, Indiana tem que impedir que a lendária Caveira de Cristal de Akator caia nas mãos de agentes soviéticos.

(Indiana fugindo de uma armadilha numa das cenas mais famosas do Cinema)

A Criação:

George Lucas teve ideias para dois filmes inspirados nos seriados dos anos 30, uma de ficção científica no estilo Buck Rogers e Flash Gordon, e outra de ação inspirada na Republic Pictures e Doc Savage, com um arqueólogo aventureiro. A primeira ideia se tornou Star Wars, e a segunda George Lucas transformou no roteiro entitulado As Aventuras de Indiana Smith, que com a colaboração do roteirista Philip Kauffman, que sugeriu usar a Arca da Aliança como pano de fundo, se tornou então Caçadores da Arca Perdida (como o personagem principal ainda não era famoso, seu nome não apareceu nos títulos). Em 1977, Steven Spielberg se encontrou com Lucas dizendo que queria dirigir um filme da série James Bond, Lucas ao invés disso ofereceu-lhe Caçadores da Arca Perdida dizendo que era "melhor que James Bond". Spielberg gostou, mas pediu para trocar o sobrenome do herói já que Smith não tinha uma sonoridade tão boa com o nome Indiana, e foi então que Lucas e Spielberg pensarem em "Jones". Nascia assim, um dos maiores heróis do cinema de Aventura. O contrato com a Paramount Pictures previa 5 filmes de Indiana Jones, mas Spielberg prometeu a Lucas apenas três.

(Indiana Jones e Marion Ravenwood, um antigo e complicado caso de amor)

Spielberg queria Harrison Ford no papel, mas Lucas resistiu, dizendo que ele já participara de muitas produções suas (American Graffith e a trilogia Star Wars). Tom Selleck foi escolhido, mas seu contrato com a série Magnum o impediu de participar. Spielberg sugeriu Ford novamente, e Lucas dessa vez permitiu.

A Sagrada Trilogia:

Os Caçadores da Arca Perdida foi filmado em estúdios na Inglaterra para cortar custos, e também em locações no Havaí, Tunísia e França. Foi lançado em 1981 e logo se tornou num dos maiores sucessos de bilheteria e crítica.

(Indiana, o menino Short Round e cantora Willie Scott na inesquecível perseguição dos carrinhos de minério)

Para a continuação Indiana Jones e o Templo da Perdição, Lucas não queria reutilizar os nazistas. Spielberg inicialmente considerou o Rei Macaco, e Lucas um castelo mal-assombrado, que Spielberg rejeitou por causa de uma produção sua, Poltergeist. O castelo logo se tornou um templo demoníaco na Índia. A produção foi filmada no Sri Lanka e Inglaterra, e seu tom mais sombrio, influenciado pela separação de Spielberg e o divórcio de Lucas, levou o filme a não ter a mesma recepção calorosa do antecessor em seu lançamento em 1984.

("Meu nome é Jones... Indiana Jones". Indy e a cantora de cabaré Willie em trajes especiais)

Para o terceiro filme, Lucas sugeriu o Santo Graal, e Spielberg rejeitou inicialmente por considerá-lo "etéreo", mas então Lucas resolveu criar uma história de pai e filho, com o Graal sendo uma metáfora para a reconciliação. Para interpretar o pai de Indiana, chegaram á conclusão que o único que podia interpretá-lo era o James Bond mais famoso - Sean Connery. Indiana Jones e a Última Cruzada (considerado por muitos fãs, como o melhor filme da Trilogia) foi filmada na Espanha, Inglaterra e Estados Unidos e tornou-se um grande sucesso em 1989.

(Indiana salvando seu pai com o Cálice Sagrado, em um momento emocionante de "A Última Cruzada")

A Quarta Aventura:

Lucas não conseguia pensar em uma boa idéia para outro filme, e resolveu então produzir uma série de TV contando as origens do personagem quando adolescente. Depois de ver Harrison Ford participar de um episódio, Lucas chegou a conclusão que podia fazer um filme com Indiana nos anos 50, inspirado na ficção científica da época e usando uma temática sobre alienígenas. O tema era polêmico e arriscado, já que destoava do perfil das aventuras do herói. Ford e Spielberg resistiram à ideia, inicialmente (o segundo principalmente por ter feito dois filmes com extraterrestres, Contatos Imediatos do 3º Grau e E.T.), mas George Lucas foi insistente e pediu roteiros para dois escritores (Jeb Stuart e Jeffrey Boam), mas após o lançamento de Independence Day, ele e Spielberg desistiram temporariamente de outro filme de invasão alienígena.

(Indiana Jones e seu rebelde filho Mutt Williams)

Em 2000, Spielberg, Ford, Lucas, e os produtores Frank Marshall and Kathleen Kennedy se encontraram em um tributo a Ford pelo American Film Institute e decidiram que valia a pena tentar mais um Indiana Jones. Lucas resolveu tornar os extraterrestres não como do espaço, mas de outra dimensão (inspirado na teoria das cordas) e usar as caveiras de cristal como ponte. Frank Darabont escreveu um roteiro em 2002 (que continha o retorno de Marion, a mocinha de Raiders e um filho para Indiana), e Jeff Nathanson, escreveu um outro em 2004. A partir daí David Koepp assumiu o texto, que foi batizado Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal. Como Spielberg não queria se afastar da família, todas as filmagens foram nos Estados Unidos. O filme foi lançado em 22 de maio de 2008, e dividiu opiniões.

O Futuro do Herói:

Steven Spielberg quer fazer outro filme apenas se o público quiser mais um, Harrison Ford disse que se interessa "desde que não leve mais 20 anos" e George Lucas disse estar atualmente pensando na idéia de uma quinta aventura.

A introdução do filho de Indiana Jones, Mutt Williams (feito pelo jovem ator Shia LaBeouf) no quarto filme, levou a rumores que ele se tornaria o foco da franquia. Spielberg disse que LaBeouf tem que "fazer muitos Transformers antes de assumir o papel". Lucas inicialmente considerou um quinto filme focado em Mutt, mas depois mudou de idéia, dizendo que "Harrison Ford é e sempre será Indiana Jones. Se fosse pra colocar Mutt como o principal, seria Mutt Williams e a Busca por Elvis ou coisa parecida", disse brincando.

(Henry Jones Senior e Henry Jones Junior... uma dupla inesquecível)

Curiosidades:

  • No primeiro filme, "Os Caçadores da Arca Perdida", dá pra ver uns hieróglifos encontrados por Dr. Jones no Poço das Almas (mais precisamente à direita) trazendo as inscrições R2-D2 e C3-PO, que são na verdade os números de identificação dos robôs da saga "Star Wars," criada por George Lucas.
  • Indiana, na verdade, era o nome do cachorro de George Lucas... e isso foi inserido no terceiro filme da série, numa fala de Henry Jones Sr., personagem de Sean Connery.
  • No roteiro original, haveria uma longa luta entre Indiana Jones e um homem com uma espada., em "Os Caçadores da Arca Perdida", mas ela foi encurtada porqueFord estava com desinteria neste dia e pediu ao diretor que encurtasse a filmagem. Spielberg respondeu: "Bom, podemos diminuir, desde que Indy saque a sua arma e atire no homem". A produção deu muitas risadas e a cena foi filmada exatamente deste modo, rendendo uma das melhores tiradas do filme.
  • Mesmo sendo uma continuação, a história de "Indiana Jones e o Templo da Perdição" se passa cronologicamente antes do primeiro filme "Os Caçadores da Arca Perdida", por isso, a ausência ainda dos Nazistas, que eram os piores inimigos de Jones.
  • O cavalo usado em "Indiana Jones e A Última Cruzada", foi o mesmo cavalo usado em "Rambo 3" e "Os Intocáveis". Muitos dizem que o cavalo parecia não temer nenhum tiro, granada ou explosão durante as filmagens e isso facilitava muito a gravação.
  • É também em "Indiana Jones e A Última Cruzada" que os espectadores descobrem a origem do medo de Indiana Jones por cobras - medo que é citado em "Os Caçadores da Arca Perdida" -, além de revelar como ele ganhou a pequena cicatriz no queixo (que é na verdade uma cicatriz real do ator Harrison Ford).
  • Nos anos 90, George Lucas produziu e realizou uma série, "O Jovem Indiana Jones", com Sean Patrick Flanery ou Corey Carrier, interpretando o personagem-título aos 17 e 10 anos, respectivamente. George Hall interpretava o herói com 93 anos, e um episódio teve a participação de Harrison Ford como Indiana nos anos 50. A série mostrava diversas aventuras de Indy ao redor do mundo, e seu encontro com personalidades históricas como Leon Tolstói, Pancho Villa e Charles de Gaulle.
* Marcel Camp é fascinado por esse personagem! Tem o box da Trilogia e todo ano assiste os três filmes... Indiana Jones é com orgulho, a VIGÉSIMA QUINTA imagem quem compõe o título desse blog!

CONTINUE LENDO >>

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Infames Probabilidades #5 - Motivos para acender a luz!

Certas coisas nunca mudam, não? rs

Esse pequeno e curioso gráfico me leva a um rápido comentário de esclarecimento que, não se sabe ainda hoje, por que diabos o ser humano ainda é tão suscetível ao desconhecido.

O receio de assombrações, medo do inesperado e a fuga das criaturas imaginárias permeiam o subconsciente humano a tal ponto que, convenhamos, muitos mesmo acendem a luz por esses motivos temerosos; mesmo tendo a racional certeza de que monstros não existem. Mas não importa o quanto estamos convictos disso, quando acordamos no meio da madrugada e saímos do quarto para algum outro cômodo e temos que percorrer aquele comprido corredor escuro, parece que sempre apressamos o passo para chegar logo ao interruptor, rss.

O medo do inusitado é tão grande que podemos ter 50 anos de idade, mas em algumas situações como essas, nos comportamos como crianças.

* Marcel Camp é macho e prefere continuar na cama debaixo do cobertor com o travesseiro em cima da cabeça.

CONTINUE LENDO >>

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Texto Amigo #3 - Só a Dor é Real!


O sol mal raiou e o rádio-relógio toca os acordes iniciais de "Stairway To Heaven". Ele se levanta perguntando porque realmente precisa fazer isso. Todo dia, sempre a mesma coisa. Nada lhe parece real. Apenas a dor. A dor faz algum sentido. Talvez por isso, o mundo seja uma experiência catastrófica: muito sofrimento desnecessário para afirmar uma existência, a busca por razões vazias. o descontrole, a destemperança, tudo misturado com pólvora num caldeirão global de água fervente.

Sentado na cama olhando os prédios que bloqueiam a passagem dos primeiros raios de sol, ele se sente minúsculo. A imensidão é outra irrealidade. Os homens têm fome de desbravar, conquistar, erigir, modificar. Naturalmente o fazem com o intuito de não pensar em mais nada durante sua jornada. Isto evita que ele olhe para dentro de si e se assuste com o que enxerga. Ou perceba que não tem controle sobre nada. O que seria muito pior para o seu ego sensível.

Ele se levanta, preguiçosamente. Calça os chinelos e caminha em direção ao banheiro. A tecnologia evolui mais rapidamente do que ele consegue aprender. O barbeador elétrico que ganhou da noiva, no dia dos namorados, não liga de maneira nenhuma. Tem tantas funções impressionantes que até se esqueceram de fazer a mais importante: a de barbear. Ele pensa em como tudo isso é inútil. Seria mais feliz barbudo. Mas o mercado das aparências não permite. Não permite porque tem de movimentar o comércio das tecnologias, das estéticas e até do amor.

Quem precisa de um dia específico para o amor? O dinheiro, claro. As pessoas vivem por ele, e não dele. Não estão nunca satisfeitas com o que tem. Precisam sempre de mais. Dinheiro é droga. Devia ser combatido como fazem com a maconha e a cocaína.

Entra no box para uma chuveirada fria. Pensa em como seria bom não ter mais consciência, não tomar ciência do que ocorre em sua volta. O banho acaba. Ele se enxuga, se veste e de súbito esmurra com muita violência a porta de vidro do box, que se parte em uma miríade de pedaços manchados de sangue.

Jorge Alexandre Schubach - Jornalista, Amigo e um Poeta da Dor

CONTINUE LENDO >>

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Big Blog Brasil - Conheça os PARTICIPANTES!!!


Estamos de volta com BIG BLOG BRASIL. Já que esses Reallity Shows fazem tanto sucesso na TV, decidi criar um diretamente Online e desenhado, onde você também vota e participa! (só não assiste 24hrs, porque eu não tenho grana pra bancar um Pay-Per View, rs).

Apresentado por Pedro Dumau (do mau mesmo!), o BIG BLOG BRASIL será exibido aqui 1 vez por semana, sem dia certo (afinal, eu tenho que ver quando dá tempo!) e começará com 12 participantes de diferentes Estados do Brasil, com suas específicas personalidades e idiotices, entrando na casa (aqui, um cafofo com lage acimentada e piscina de plástico) e sendo vigiado por câmeras (o meu lápis, no caso!) em todos os cômodos possíveis! Depois de um mês, mais 4 participantes entrarão na casa de acordo com o resultado de vocês leitores, que escolherão a entrada dos próximos 4 finalistas.

Então é isso, pessoal... desenharei uma vez por semana situações e acontecimentos que ocorrerão com nossos primeiros 12 participantes na casa mais difamada do Brasil... só aqui, no VemAquiNoMeuBlog!

Agora, fiquem com a apresentação de mais um participante: Luíza! E logo abaixo dela, conheça todos os confinados que, aos poucos, serão também apresentados individualmente!!!



Para quem ainda não viu o perfil dos 2 participantes anteriores, clique aqui e aqui!

* E neste BBB, as votações serão feitas por ENQUETES!!! Ou seja, você não gastará nada ligando praqueles telefones chatos!

CONTINUE LENDO >>

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Notícias que me chamaram atenção! - Lavaram a égua!!!

Eu já tinha ouvido falar nessas histórias bizarras de caipiras retardados que fazem sexo com cabrita, égua, tamanduá-bandeira (não é à toa que o bicho tá em extinção)... mas estuprar um animal é coisa de psicopata!

Leiam vocês mesmos:

(Clique na imagem para ler melhor)


* Marcel Camp só come animal assadinho no prato!

CONTINUE LENDO >>

Conto Policial #2

Para ler a PARTE 1, clique aqui: http://vemaquinomeublog.blogspot.com/2010/12/conto-policial-1.html

Flashes das mais variadas máquinas fotográficas eram disparadas ininterruptamente. Filmadoras eram ligadas. Microfones, celulares, câmeras de televisão estavam em toda parte daquele corredor estreito, com odor de pólvora e agora sujo de sangue. O Detetive Dalton Duarte estava lá... no chão, com dois tiros no peito, com as munições disparadas contra ele ainda cravadas em seu colete e se recuperando do forte impacto das balas quase à queima-roupa. O detetive, por sorte, sobreviveu, mas sentia um certo gosto de sangue na boca ressecada e parecia estar com alguma costela fissurada. O perigoso assassino da cicatriz? Infelizmente, havia fugido. Pela janela do apartamento, em direção ao telhado de um outro prédio ao lado, que formava um gigantesco e labiríntico cortiço. "Mas como ele soube que eu estaria chegando?" , "Como ele poderia já estar com um revólver na mão apontado pra porta assim que eu a arrombei?", essas perguntas ricocheteavam na mente do Detetive Duarte assim que ele se colocou de pé e guardou sua arma.

O assassino da cicatriz se chamava Robério Trancoso, 39 anos, pedófilo, traficante e um cruel assassino. Há algum tempo entrara no caminho do tráfico buscando aquilo que todo marginal almeja: dinheiro fácil. O mais curioso é que o assassino da cicatriz não era um viciado. Ele jamais fumou, cheirou ou injetou nada... e mesmo assim, era um dos mais perigosos traficantes daquela pútrida cidade que caía aos pedaços diariamente. Sua obsessão em ganhar grana era tanta que ele matava quem quer que se colocasse em seu caminho o atrapalhando de conseguir isso. O seu meio-irmão, um pastor evangélico, foi uma de suas vítimas justamente porque tentou o parar. Robério não poupava ninguém. Ganhou a cicatriz numa briga de bar, quando levou uma garrafada no rosto... mas seu oponente teve a cabeça aberta segundos depois. O assassino da cicatriz era bastante temido, violento, esperto e sabia que o corajoso Detetive Dalton Duarte já estava na sua cola há um bom tempo. E o dia que o policial pintasse na sua porta - como ele mesmo falava -, seria o dia que ele mandaria o detetive pro inferno. Bom, ele quase conseguiu! Dalton levou dois tiros de surpresa assim que invadiu o apartamento do bandido, e os dois tiros o atingiram bem no meio do peito, mas o Detetive sempre foi precavido e nesse dia de trabalho, como em todos os outros, ele estava de colete. O impacto das balas em seu tórax, só o arremessou contra a parede e o fez cair em cima de uma velha mesinha de mogno. O machucou, fissurou uma de suas costelas e o atordoou por uns momentos. Mas isso não foi pior do que ver o crápula da cicatriz fugir pela janela, talvez, pensando que havia matado o Detetive.

Agora, no hospital, cuidando atentamente da costela fissurada pelas duas balas que o atingiram de maneira forte, o íntegro Dalton só pensava em uma coisa: "Quem o avisou da minha chegada?". Afinal, para o Detetive, não havia dúvida de que alguém entrou em contato com o criminoso Robério e disse que o policial estaria indo pra lá, naquela hora e naquele momento. Quem foi o maldito dedo-duro que deixou o desgraçado do assassino da cicatriz saber de sua chegada?

Dalton Duarte teria essas informações assim que saísse do hospital, cedo ou tarde, não importava. Só que agora o jogo ficou ainda mais perigoso... pois além de ter que voltar a caçar o terrível assassino da cicatriz, ele teria que descobrir quem foi o inescrupuloso informante, que afinal, desejava sua morte.

CONTINUA...

*****************

* Dalton Duarte é inspirado em personagens como Deckard (de Blade Runner), William Somerset (de Se7en) e Clarice Sterling (de O Silêncio dos Inocentes)

CONTINUE LENDO >>

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Batman e Coringa, o confronto #5

Clique na imagem para ler melhor:


* Esse blog não faz apologia a nenhum tipo de droga. Isso é apenas humor negro... ou melhor, humor afro-descendente.

CONTINUE LENDO >>

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Corra Que A Polícia Vem Aí


Os anos 80 tinham um cuidado muito grande com suas comédias. Os filmes do gênero naquela década, priorizava além de um bom elenco e uma boa direção, um ROTEIRO que realmente envolvesse o espectador nas divertidas cenas e jamais apelavam para piadas gratuitas e/ou escatológicas.

Um grande exemplo de uma ótima comédia criada naqueles áureos tempos, é "Corra que a polícia vem aí". Uma produção que satiriza os grandes filmes policiais americanos e que consegue mesclar uma trama interessante, com personagens altamente hilários em cenas que transbordavam humor, seja nos diálogos, nas situações ou nas gags (piadas que ocorrem ao fundo da cena paralelamente ao primeiro plano). "Corra que a polícia vem aí" consegue unir tudo isso de uma forma muito sagaz, e conta com a atuação do falecido comediante Leslie Nielsen no papel principal, que empresta aqui, seu grande carisma e sua impagável capacidade de nos fazer rir, com as feições mais inusitadas possíveis.

A sinopse é rápida: "Em visita aos Estados Unidos, a Rainha da Inglaterra é um alvo secreto de um grande empresário que planeja matá-la para impedir que um plano anti-armamentista aconteça". À partir daí, o Tenente Frank Drebin da polícia de Los Angeles, tem que correr contra o tempo para desvendar quem está por trás do criminoso plano de atentado. O trunfo desse filme, além de contar com um bom desenvolvimento narrativo e uma direção inspirada dos Irmãos Zucker (os mesmos criadores de "Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu!"), é também a composição do personagem Drebin aliada à performance hilariante de Leslie Nielsen; temos de cara, a certeza de que ele é um tremendo paspalhão por todo o seu comportamento cretino, mas Nielsen compõe brilhantemente um policial que constrasta no semblante, afinal, está sempre exibindo um rosto sério, cizudo, compenetrado e que nunca sorri. É um personagem completamente cômico, mas que em todo o momento ELE se leva a sério... o que causa um interessante impacto no espectador!

Há sequências antológicas como os vários acidentes que nunca matam o parceiro Nordberg, a perseguição de carro feito num veículo de uma auto-escola com uma aluna aprendendo a dirigir, a incômoda situação de estar do lado de fora de um prédio pendurado em estátuas nuas, o jogo final de beisebol... enfim, são tantas cenas engraçadas que fica complicado descrever todas elas aqui. Mas a certeza de que as comédias atuais perderam muito dessa genialidade dos irmãos Zucker, dos filmes de Mel Brooks, do Monthy Python e similares, fica cada vez mais evidente ao rever obras-primas da comédia como essas aqui.

* Toda a trilogia "Corra que a Polícia Vem Aí" diverte e merece ser assistida, mas é esse primeiro que possui a verdadeira força da série... o filme é a VIGÉSIMA QUARTA imagem no título desse Blog.

CONTINUE LENDO >>

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Cantinho Musical #2 - "Artistas que mudaram o estilo - parte I"


Hoje não abordarei nenhuma banda específica e nem comentarei sobre suas melhores músicas, álbuns, enfim. O Cantinho Musical de hoje, vai iniciar uma série que mostrará os artistas musicais que mudaram drasticamente de estilo! Sabemos que isso acontece por alguns motivos escusos, seja por insatisfação artística, falta de identidade e o que é pior, por jogadas comerciais para angariar um público mais abrangente; o que, muitas vezes, na minha opinião, descaracteriza por completo determinado músico!

Pra começar, destacarei aquele que é considerado um dos maiores deejays (DJ's) da atualidade, conhecido por "FATBOY SLIM".

A maioria deve saber que o cara lota as apresentações por onde passa, seja em boates, eventos de premiações e principalmente, em shows abertos como praias e feiras musicais. Incluindo músicas eletrônicas com todo o ritmo tecno e batidas pops, ele se tornou um verdadeiro fenômeno como DJ.

Veja aqui abaixo, uma de suas apresentações:


Mas o que muita gente não sabe, ou não se lembra, é que Norman Cook (sim, esse é o nome nerd do hoje descolado Fatboy Slim!) era o baixista de uma ótima banda britânica chamada The Housemartins, que fez um grande sucesso nos anos 80 com uma música chamada "Build"... que aqui, no Brasil, ganhou o tosco nome de "Melô do Papel". A música era MUITO BOA, e ele era um bom baixista que, por razões desconhecidas ou pela síndrome de "agora quero aparecer mais!", resolveu abandonar o grupo e virar um Deejay internacionalmente famoso.

Abaixo, a ótima "Build" com um Fatboy Slim ainda desconhecido:


* Essa série, dentro da seção "Cantinho Musical", futuramente mostrará mais outros artistas que mudaram drasticamente seus estilos de música. Se você lembra de alguns e quer que eu aborde, deixe aqui o seus pedidos nos comentários!

CONTINUE LENDO >>

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O Antes e o Agora de: Brad Pitt

Seguindo essa nossa tão "polêmica" seção, voltamos com o Antes e o Agora de um dos atores mais populares de Hollywood e que ganhou fama mundial pela beleza e pelo talento... classificaremos aqui: Brad Pitt!

Então vamos às notas e às críticas sobre o ator ANTES e AGORA:


Nota 7,5: É inegável que o cara tenha sido sempre evidenciado pela sua beleza, mas seu talento lá pelo final da década de 80 ainda era praticamente oculto. Pitt começou fazendo pontas bem medíocres em filmes até interessantes como "Sem Saída" (com Kevin Costner, de 1987), "Atraídos pelo Perigo" (com Charlie Sheen, também de 87) e "Namorados por Acaso" (com Patrick Dempsey e Helen Slater, de 1989), mas foi só com a participação ultra rápida em "Thelma & Louise" (de ninguém menos que Ridley Scott, já em 1991) que ele chamou atenção - da mulherada, principalmente! - e, desde então, começou a aparecer, mesmo que de maneira rápida, em filmes bem mais considerados. E convenhamos, olhando por essa foto que é de 1986, o cara mais parecia um galãzinho de filme pornô gay.

Nota 9: Além de ter se tornado um astro milionário pelos ótimos filmes que faz, Brad Pitt mostrou toda a competência como ator, realizando atuações admiráveis, como em "Clube da Luta", "Se7en - Os 7 Crimes Capitais", "Os 12 Macacos", "O Curioso Caso de Benjamin Button", apenas para citar alguns... e, notoriamente, se firmou como um respeitado ator. E o cara ainda envelheceu muito bem, pois mesmo que tenha lá suas rugas - já que é um quarentão - hoje ele não lembra mais em nada aquele jovenzinho com cara de ninfeta e expõe um rosto bonito de um homem mais maduro, de porte elegante e uma presença ainda chamativa, de quem a idade foi uma boa aliada!

* Acho sua atuação em "Clube da Luta" a melhor de toda a sua carreira.

CONTINUE LENDO >>

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Big Blog Brasil - Conheça os PARTICIPANTES!!!


Estamos de volta com BIG BLOG BRASIL. Já que esses Reallity Shows fazem tanto sucesso na TV, decidi criar um diretamente Online e desenhado, onde você também vota e participa! (só não assiste 24hrs, porque eu não tenho grana pra bancar um Pay-Per View, rs).

Apresentado por Pedro Dumau (do mau mesmo!), o BIG BLOG BRASIL será exibido aqui 1 vez por semana, sem dia certo (afinal, eu tenho que ver quando dá tempo!) e começará com 12 participantes de diferentes Estados do Brasil, com suas específicas personalidades e idiotices, entrando na casa (aqui, um cafofo com lage acimentada e piscina de plástico) e sendo vigiado por câmeras (o meu lápis, no caso!) em todos os cômodos possíveis! Depois de um mês, mais 4 participantes entrarão na casa de acordo com o resultado de vocês leitores, que escolherão a entrada dos próximos 4 finalistas.

Então é isso, pessoal... desenharei uma vez por semana situações e acontecimentos que ocorrerão com nossos primeiros 12 participantes na casa mais difamada do Brasil... só aqui, no VemAquiNoMeuBlog!

Agora, fiquem com a apresentação de mais um participante: Fafau! E logo abaixo dele, conheça todos os confinados que, aos poucos, serão também apresentados individualmente!!!



Para quem ainda não conheceu a participante anterior, clique >> aqui!

* E aqui, as votações serão feitas por ENQUETES!!! Ou seja, você não gastará nada ligando praqueles telefones chatos!

CONTINUE LENDO >>

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Aposentadoria de um jogador de futebol (ou o fim de um heroísmo)

O caso do Ronaldo "Fenômeno" me chama atenção para uma coisa: a idolatria por um jogador de futebol.

Como todos devem saber, já não é de hoje que quando vemos um atleta renomado e famoso se aposentar, ainda mais quando essa atleta é um jogador DE FUTEBOL (ou alguém já viu comoção maior por um jogador de vôlei ou por um nadador?), parece que o Brasil inteiro pára, se mobiliza e se convence de que um grande herói esportista está deixando seu campo sagrado de tantas epopéias homéricas.

Ora essa, o que eu vejo é apenas um cidadão que encheu os cuscuz de dinheiro, usufruiu do bom e do melhor desde os 20 anos (quando muitos jovens estão se preparando para uma Faculdade!), fez mil e uma extravagâncias, casou e descasou com quem quisesse, desfilou com modelos, atrizes e carros importados, emprenhou várias maria-chuteiras por aí, brincou com mulheres de tromba e já com o seu burro na sombra, joga por hobbie, por diversão e sim, por uma paixão de moleque, e não mais por amor à camisa. A história de Ronaldo (meu conterrâneo, inclusive), é igualzinho à de tantos Romários da vida, que saíram da pobreza - da quase miséria - e subiram no status social somente e unicamente pela grana e pela liberdade de poderem ostentar e exibirem seus vários bens luxuosos. Convenhamos, a maioria não sabe nem resolver uma expressão aritmética e conjugar verbos no particípio passado deve ser uma tremenda dificuldade para eles! Jogadores como Ronaldo, falam algumas línguas porque tiveram que jogar em times estrangeiros... mas se eu fizer um intercâmbio e ganhar uma bolsa de um curso de idiomas para a Europa, garanto a todos vocês que volto falando italiano, espanhol, francês e, se bobear, alemão também. E com muito estudo! Não abandonei o primário e nem o ginásio para ajudar a minha família a comprar uma mansão fazendo o que eu sei fazer no campinho da praça... e até que jogo bola direitinho. Nada disso, eu estudei, me formei, continuo estudando, trabalho e tento ajudar minha família onde posso, sempre com muita prioridade, dignidade e orgulho. Não porque simplesmente eu tenho milhões sobrando! Com isso, pessoal, não quero diminuir os Ronaldos e Romários da vida (esse último está tentando fazer gol na política, agora) que, de fato, contribuiram para elevar o nome do país no esporte mundial. Mas foi só isso que fizeram. No máximo, tentam depois de milionários, construir escolinhas de futebol. E o que eu vejo pelas ruas e pela internet é uma comoção quase nacional pela pendurada de chuteiras do Ronaldo... o que esse ótimo jogador (que realmente jogava um bolão!) fez para ajudar o nosso país de verdade? O que jogadores dentro do perfil "poderoso" e influente como o de Ronaldo fez para ajudar a diminuir nossa criminalidade? O que eles fizeram para que a nossa população tivesse um salário melhor, quando eles já tiravam milhões daqui? Nossa Educação melhorou com eles? Nossos hospitais melhoraram com eles? Nossa cultura e a estrutura da nossa sociedade se aprimou com todos esses jogadores de futebol triliardários que jogam filhos pelo mundo, cheiram sua ervinhas e saem pras baladas? Alguma vida, ou várias vidas, foram salvas por jogadores de futebol? Pois é... e ainda são ídolos. São heróis, ou quase super-heróis, para uma porrada de gente!

Bom, acho que o Ronaldo, o Romário, o Cacá, o Ronaldinho, ... todos merecem respeito, mas virarem símbolos de um heroísmo nacional??? Na boa, mas se eu tiver filho, não quero que ele tenha como base para um herói brasileiro - ou mundial - jogadores de futebol. Não mesmo! Admiro qualquer esporte, e um bom esportista, mas serem endeusados e virarem mártires já é muito pra minha aceitação. Herói pra mim, é um bombeiro que entra no meio dos escombros para salvar uma pessoa ou algum animal doméstico que está preso, enfrenta as chamas com o risco de morrer ou ser queimado apenas para resgatar alguém que ele nunca viu na vida; heróis são os médicos que às vezes acordam de madrugada, em qualquer horário, para sair de sua própria casa, em baixo de chuva, ao ser chamado em uma emergência para cuidar, tratar, curar e salvar qualquer pessoa; heróis são os policiais bem treinados, que sacrificam muitas vezes a sua presença na família para terem que enfrentar bandidos no meio da rua, correndo risco de vida em qualquer lugar; heróis são os professores que estudam, trabalham desgastantemente, são responsáveis por crianças, adolescentes, que ensinam e preparam a inteligência de cada futuro cidadão e saem sujos de giz ou de caneta das salas de aula no fim do dia.... heróis são todas essas pessoas, gente que estuda, trabalha, não faz filho por diversão, não casa por brincadeira, não fogem de pensões, não criam brigas em bar, não usam drogas por modismo, não frequentam baladas para "causar" (nem possuem tempo pra isso), e o pior de tudo: não ganham nem um décimo de um quinto do que um idolatrado Jogador de Futebol, sem estudo e fazendo só o que gosta, ganha!

Heróis Brasileiros? É... acho que o próximo pode ser o Neymar.

* Marcel Camp só torra grana em estádio pra ver algum show de música.

CONTINUE LENDO >>

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Coleção de DVD's do Oscar - Parte 2

Para quem é cinéfilo como eu, ou que é apenas um grande admirador da Sétima Arte e gosta de ter seus preciosos filmes bem guardados em casa (seja em VHS, DVD ou Blu-Ray), não pode deixar de ver o video de 15 minutos de Rubens Tietzmann, um amigo cinéfilo que faz parte do mesmo fórum de Cinema que frequento.

Em uma linguagem bem simples, direta e objetiva, Rubens comenta e revela sua invejável coleção de DVD's de filmes raros e clássicos ganhadores do Oscar! Nessa segunda parte, ele fala sobre "Cimarron", "Grande Hotel" e "Cavalgada", dando apenas uma recapitulada rápida em "Sem Novidades no Front".

Vale a pena verem o video, afinal, é a História do Cinema sendo mostrada:



*Rubens Tietzmann só não mostra o rosto pelo medo de ser sequestrado e pedirem sua coleção de DVD's como forma de pagamento!

CONTINUE LENDO >>

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Pérolas do Orkut - "Salvem o WORD!!!"

Word ou World??? Vejam como um "L" faz toda a diferença...


* Cliquem na imagem para melhor visualizar!

CONTINUE LENDO >>

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Instinto Selvagem


O ano era 1992. O cinema já havia produzido vários suspenses de qualidade e outras obras eróticas bastante renomadas. Mas essa inusitada mistura entre os dois gêneros nunca havia sido elevada a uma potência tão extrema... e, o mais importante, a uma competência tão bem elaborada!

(Michael Douglas e Sharon Stone em uma química altamente instigante!)

"Instinto Selvagem" (Basic Instinct) é um filme que já deixa claro, logo em sua primeira cena, que não é pra todo tipo de público; se você se impressiona fácil com violência ou se sente meio incomodado com cenas picantes de sexo, essa obra já coloca como cartão de visita esses dois elementos de cara, afinal, o filme abre com uma sequência onde vemos um homem fazendo sexo com uma loira em cima de uma cama, e enquanto a transa acontece, ela vai amarrando os pulsos dele na cabiceira o deixando imóvel e então, surpreendentemente, ela tira debaixo do lençol um picador de gelo e perfura o cara inteiro, em closes bem visíveis! A sequência é forte... e maravilhosamente bem feita!!! Em todo o momento na cena, a gente consegue ver o rosto do homem, mas não a da mulher, que está com o cabelo caído em frente ao rosto, o que gera uma angústia no espectador logo de início, pois ficamos bastante intrigados para saber quem fez aquilo com o cara. Minutos depois, somos apresentados ao policial Nick - que possui um passado conturbado por ter sido alcóolatra, usuário de drogas, e que está agora em recuperação... e será justamente ele o responsável por investigar o caso. Ou seja, "Instinto Selvagem" é o tipo de filme que não possui personagens certinhos, bonzinhos ou que caminham maniqueistamente na linha do bem ou na linha do mal; são todos muito ambíguos, dúbios, e é isso que mantém a história pulsando e elevando cada vez mais o interesse do espectador em saber quem é que vai se dar mal ali.

(O policial Nick faz as últimas interrogações para a escritora Tramell, na imponente varanda da mansão dela)

A direção do holandês Paul Verhoeven (do primeiro "Robocop", e que estava no auge, naquela época) é vigorosa, atraente, e não poupa os detalhes. Por mais que vemos cenários grandiosos, paisagens bonitas, uma fotografia muito competente de Jan De Bont e um clima de misterioso "glamour" no ar, o cineasta faz questão de nos impactar com as cenas de mortes e, principalmente, com o erotismo desenfreado entre dois personagens que parecem não conhecer limites... e que aqui, nessa trama, é tudo muito relevante. Aliás, é a trama de "Instinto Selvagem" que merece mesmo todos os elogios, afinal, um tipo de filme assim, causaria polêmica por demonstrar vários aspectos pesados para um filme até então comercial, mas o roteiro é muito inteligente, prioriza os personagens e não mostra nada de forma gratuita. Se existe aquela famosa - e explícita! - cruzada de pernas de Catherine Tramell (personagem de Sharon Stone), é porque sua intensão não só é ludibriar e desviar a atenção dos policiais que a interrogam, como é mostrar também que é uma mulher que está no controle da situação e que por mais suspeita que possa parecer do crime, ela domina psicologicamente os homens à sua volta e mostra que se não teme em fazer aquilo diante de oficiais da lei, é porque ela não teme em ser presa... logo, ela se mostra segura e confiante pra eles, como uma pessoa que realmente é inocente e não culpada de assassinato. Uma sagacidade espantosa do roteiro! E os diálogos entre todos os personagens, em especial para a dupla de protagonistas feita por Stone e Douglas, merece toda a atenção possível. O casal brilha em cena, seus personagens parecem soltar "faíscas" quando estão juntos e se o sempre competente Michael Douglas já vinha de um Oscar por seu excelente trabalho em "Walt Street - Poder e Cobiça", Sharon Stone foi aqui jogada instantaneamente para o estrelato, com uma personagem misteriosa, fatal, sedutora e dona de uma personalidade altamente provocante, e que nas mãos hábeis de um inspirado diretor como Verhoeven, a atriz ganhou seu melhor presente com sua melhor personagem!

(A cruzada de pernas mais famosa do cinema!)

O filme foi merecidamente um sucesso de bilheteria, a fotografia de Jan De Bont (que dois anos mais tarde dirigiria "Velocidade Máxima" e mais dois anos depois "Twister") criou aqui, uma pasteurização de cores neutras, sóbrias, mas que misturadas a um brilho e uma iluminação forte de algumas cenas, nos atinge em cheio. A trilha sonora então, é um dos grandes trabalhos do mestre Jerry Goldsmith (responsável pelo tema de Rambo, Poltergheist e tantos outros sucessos) que nos envolve ainda mais no clima das cenas e, claro, a direção certeira de Paul Verhoeven aliado ao roteiro muito bem trabalho por Joe Eszterhas, que respeita a inteligência do público criando um suspense gradativamente interessante, com reviravoltas coerentes e um nível de tensão que nunca soa gratuito.

(O picador de gelo: uma verdadeira arma as mãos dela!)

Enfim, um dos grandes filmes dos anos 90 que merece ser visto com atenção e entender o porquê Sharon Stone virou uma estrela da noite pro dia... afinal, ela não só pegou uma personagem bem construída, mas trabalhou uma performance corajosa, ousada e digna de aplausos. Infelizmente, sua continuação ("Instinto Selvagem 2") é muito fraca e não merece nem ser comparada!

* Gosto demais desse filme e ele é a VIGÉSIMA TERCEIRA imagem que compõe o título desse Blog.

CONTINUE LENDO >>

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

BadernaCast #12 - Destrinchamos o filme "Um Dia de Fúria"!


JustificarO BadernaCast é o podcast coletivo no qual participo, e foi criado para o Blog OUltrabadernista de Alexandre Lessa (o Pimp Mal) e integrado por mim e pelo amigo Rafael Frassetto.

Nesta nova edição, estreamos uma série dentro do Badernacast entitulada "Os Filmes de Nossas Vidas", que constará na escolha dos melhores filmes que marcaram, de forma pessoal, os integrantes do Baderna; para que este seja comentado, falado, discutido e debatido de todas as formas... ou seja, destrincharemos os tais filmes de nossas vidas. Com isso, não significa que o filme que escolhemos seja um sucesso de público, de crítica ou que tenha sido premiado, reverenciado ou oscarizado. Nada disso! Como dito, é particularmente, uma seleção dos filmes que marcaram cada um dos integrantes de maneira pessoal e que, por isso, foram escolhidos para virar o tema de um podcast inteiro. E o selecionado para a estréia, é Um dia de Fúria, um dos filmes da vida de Alexandre Lessa, o "Pimp Mal", o criador do Baderna e quem edita todas as nossas gravações! E confesso que é um dos meus filmes preferidos também. Fomos à fundo nesta obra cinematográfica de Joel Schumacher, esmiuçamos cada cena, do início ao fim, falamos do roteiro, dos diálogos, da direção, das melhores sequências, o que elas representam e claro, da interpretação extraordinária de Michael Douglas, num de seus melhores personagens.

Embarque com a gente nesta destrinchada completa de um filme que transborda crítica, humor negro, amargura e uma realidade triste onde as mazelas da sociedade podem danificar de alguma forma o comportamento de um homem já no limite de sua tolerância.

Um Dia de Fúria é um FILMAÇO que merece ser visto e, agora, ouvido:



Para quem não conseguir ouvir por aqui, cliquem nesse link direto: http://www.4shared.com/audio/ssF8mnTl/Baderna_12_-_UM_DIA_DE_FURIA.html

* "Os Filmes de Nossas Vidas", antes de mais nada, são obras fílmicas que temos um grande carinho e apreço, não nos importando se é uma obra-prima do Cinema ou uma Sessão da Tarde esquecida. Deixe seus comentários para serem lidos na nossa próxima edição!

CONTINUE LENDO >>

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

As 13 Coisas que um Garçom gostaria de lhe dizer:


1- Não precisa gritar que nem uma maritaca para me chamar lá do outro lado do restaurante, basta levantar o braço que eu vou até sua mesa.

2- Não precisa ficar assoviando que nem um apito para me chamar, pois assim, só os cachorros irão lhe atender.

3- Quando pedir o cardápio, tenha a consciência de saber o status do restaurante que você está... não vai querer ficar procurando um rosbife de R$7,90 quando todas as nossas carnes ultrapassam os 15 reais.

4- Até tiramos suas dúvidas sobre todos os ingredientes de algum prato que você não conheça, de dois pratos que você não conheça, de três pratos que você não conheça, até de quatro pratos que você não conheça... mas perguntar o que leva em TODOS os pratos do cardápio, é preferível que você vá falar com o cozinheiro.

5- Não nos responsabilizamos se sua noiva, namorada ou esposa estiver com um decote ultra-mega-aberto... nós iremos olhar sim!

6- Saiba que trocamos qualquer prato que você ache que não está bem preparado e, claro, recomendaremos outro. Mas ficar nos chamando para reclamar de todos os alimentos, é melhor então, que você vá para outro restaurante.

7- Acredite: temos garçons responsáveis pelas bebidas e pelas comidas. Mas isso não quer dizer que mesmo que eu só sirva as bebidas, eu não vá lhe atender... se você me chamar e quiser um assado, eu passarei seu pedido para o meu colega.

8- Odiamos que nos cutuquem ou nos peguem pelo braço, por favor, não faça isso se quiser nos chamar! Ou levante a mão ou chame por "garçom" num tom moderado, que teremos o maior prazer em lhe atender.

9- Não fique irado com a gente se no seu prato de sopa estiver uma mosca ou na farofa do churrasco estiver um fio de cabelo... não somos os culpados por isso, na maioria das vezes, esses acidentes acontecem na cozinha.

10- Não adianta querer saber nossos nomes porque isso não vai fazer com que você seja melhor atendido ao nos chamar pelos nomes... nossas regras é sempre atender as mesas mais próximas em que estamos.

11- Se um prato, uma garrafa ou um copo quebra já estando em sua mesa, acredite: isso irá ser incluído na sua conta final, e não adianta reclamar pois é política dos estabelecimentos e não regras criadas por nós, garçons.

12- Somos garçons e não babás. Portanto, no máximo, podemos disponibilizar uma cadeirinha elevada para seu filho pequeno ficar na mesa, mas não nos responsabilizamos se o pirralho começar a gritar, a chorar ou correr pelo restaurante. Qualquer prejuízo ou bagunça que sua criança causar no local e com os outros fregueses, irá ser motivo para o gerente lhe chamar atenção!

13- Claro que um bom cliente é sempre aquele que além de ser simpático com a gente, entende que as gorjetas e as porcentagens do garçom nos faz muito feliz. Se você for mal atendido, certamente, iremos entender se você não der a nossa parte... mas se atendemos você com toda a atenção e cordialidade, ficaremos muito decepcionados se vocês não lembrarem da nossa caixinha!

* Para ver as 13 coisas que um Vendedor de Sapatos TAMBÉM gostaria de nos dizer, clique aqui.

CONTINUE LENDO >>

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Meu amor por animais!!!


Depois de visitar o "Verdades e Bobagens", do amigo André Mansim, que também gosta muito de animais, me vi impelido de escrever esse post-depoimento. Não é de hoje que eu gostaria de ser uma espécie de protetor máximo dos animais, pois eu adoro quase todo o tipo de bicho, seja cão, gato, hamster, passarinho, papagaio, peixinho, esquilo, furão e até iguanas (aqueles lagartos que muitos têm certo medo, rs)... eu não consigo REJEITAR nenhuma espécie animal, por mais estranha que ela possa parecer e por mais "medonha" que sua aparência possa ser.

Pra vocês terem uma idéia, eu tenho MUITA PENA quando matam ratos na rua! É sério!!! Odeio ver algum ratinho - por mais que seja uma enorme ratazana - esmagado no asfalto. Parece inacreditável, mas fico triste em ver tanta gente que tem prazer em MATAR ratos. Eu sei que são criaturinhas danosas à nossa saúde por serem animais que perambulam por ambientes mais sujos e contaminados, e que sua urina transmite a leptospirose, mas eu entendo que é a NATUREZA deles, é NATURAL que eles andem por aqueles cantinhos, e por isso, acreditem: EU NÃO MATO RATOS. No máximo, tento me desviar deles se por acaso surgir algum na minha frente, ou tento afugentá-los de toda maneira, se por acaso entrar na minha casa. Talvez, eu tenha ficado com certo "trauma de infância" quando de criança, vi um ratinho pequeno no ralo do meu quintal querendo sair (e ele era meio branquinho e acinzentado, com um focinho em forma de bolinha, e eu lembro de tê-lo achado engraçadinho!) e repentinamente vi o meu pai, que para proteger o ambiente doméstico, lógico, quis espantar ele e fazê-lo voltar ao esgoto... mas o ratinho era meio bobinho, pequeno, parecia ser filhote e não queria ir embora e ficava ali no ralinho tentando sair. Foi quando de repente, meu pai apareceu com um balde de água FERVENDO e jogou pelos furos da grade do ralo!!! Putz, aquilo me chocou verdadeiramente, me impactou na hora e me senti mal ao ter visto aquela cena, e o que foi pior, eu OUVI os grunhidos do ratinho como um grito de desespero. Sério, sei que muitos não gostam de ratos, mas por favor, não os matem de maneira tão horripilante! Entendi que meu pai não tinha outro método para tirá-lo dali, afinal, nem ratoeira daria pra colocar já que o ratinho estava dentro do ralo, mas aquele tipo de morte é algo escabroso! Ouvir o bichinho gritar imaginando toda aquela água escaldante o queimando vivo, derretendo seus pêlos e sua pele, é até hoje pra mim, um ato demasiadamente cruel! Foi algo que me marcou, como vocês podem ver, e pode ser por isso que tenho muita pena de ratos de rua, já que são em sua maioria perseguidos e mortos à pauladas, pedradas, envenenados e de todas as formas mais hediondas. Não gosto nem de imaginar! Vamos lembrar que NENHUM ANIMAL deve SOFRER. Se tivermos isso em mente, até pra matar algum bicho que nos ameace de alguma forma, vamos tentar ser rápidos e o mais indolor possível. Eu falo isso sério, muitos podem achar que estou brincando, mas é verdade!

Já fui até chamado de "viadinho" por colegas insensíveis, quando mais novo, por transmitir carinho demasiado por animais. Mas se ser viadinho é transmitir carinho aos bichos, então podem me chamar de VIADÃO! Sou do tipo que paro ao lado de um cão e falo com ele, passo a mão pela sua cabeça, brinco com qualquer gatinho, dou cafuné neles, roço o dedo no focinho deles, assovio perto de passarinho (apesar de odiar gaiolas, pra mim, eles tinham que estar voando!), rio com papagaios (tem um aqui do vizinho que chega a ser chato de tanto que ele fala, mas é impossível chegar perto dele e ficar com raiva!), eu aprecio qualquer um e gosto de todos, pra valer! Eu chego a falar pros meus amigos que quando olho para alguma pessoa na rua desabrigada, eu fico com pena, mas quando olho para algum animal abandonado, sujo e esfomeado perambulando sozinho pelas calçadas, pelamordedeus... chego a ficar com um "nó" na garganta! Porque eu sei que bem ou mal, uma pessoa de rua pode pedir ajuda, esmolar alguns trocados e dizer que está com fome que sempre terá alguém que vai ajudar, mas o animal não! Ele não fala a NOSSA LÍNGUA!!! Ele NÃO TEM as mesmas possibilidades que um ser humano. Teve um dia que chovia muito, eu passei dentro de um ônibus e pela janela vi um vira-lata todo molhadinho e encolhido de frio debaixo de uma marquise... cara, minha vontade era de pular a janela do ônibus naquela hora e tentar socorrê-lo de qualquer maneira! O cãozinho chegava a TREMER com a friagem que a chuva e o vento jogava pra cima dele, mas era o único cantinho que ele podia ficar... não tinha como sair dali, as ruas estavam enchendo de água e a chuva era forte! Ele ficou ali no cantinho olhando os carros passando e nenhum parava pra ajudá-lo! Putz, fico com lágrima nos olhos ao escrever isso aqui, porquê eu não estava perto dele pra enrolá-lo com qualquer pedacinho de pano que eu poderia arranjar. Eu cobriria ele até com a minha camisa e levava comigo! Sabe, essa hora é que eu desejava ser RICO DE VERDADE porque eu iria torrar muita grana - e com o maior prazer do mundo! - para construir locais, abrigos e pagar os melhores funcionários para cuidarem de TODOS os bichos que eu iria recolher da rua! Eu seria capaz de construir uma frota de caminhões para pegar esses animais de rua abandonados ou esquecidos pelos donos nos quintais minguando fome e carinho. Compraria uma, duas, três fazendas e colocaria todos eles ali, com muita comida, água e áreas para que pudessem correr e brincar. Morreriam FELIZ e sabendo que foram muito bem tratados e que tiveram pessoas que o amaram de verdade... já que eles têm tão pouco tempo de vida, comparado à nossa, eles teriam então os melhores anos de vida que um animal pode ter.

Eu honestamente admiro MUITO os veterinários; eles cuidam, tratam e muitas vezes salvam os nossos bichos de algum ferimento sério ou de alguma doença inesperada. Tenho um grande respeito por eles. Mas essa, afinal, é a profissão deles, estudaram para isso e hoje é o DEVER deles realizarem essas funções. Por isso, admiro AINDA MAIS aquelas pessoas comuns, que sem preparo técnico nenhum, entendem que os ANIMAIS são seres viventes como todos nós, que só querem também viver um pouco melhor... viverem bem, felizes, com carinho... e com uma simples atenção, a gente dá tudo que eles querem, porque diferente dos seres humanos, os animais não maltratam a gente por querer, eles são FIÉIS a nós, mesmo se um dia nós brigarmos com eles porquê fizeram cocô na varanda ou subiram na nossa cama... eles são LEAIS a nós mesmo que passemos um final de semana inteiro longe deles, e eles ainda esperam a gente no portão abanando o rabinho ou miando alto... eles envelhecem gostando da gente, eles adoecem gostando da gente... olham a gente nos OLHOS e não nos exige nada, não quer nos chantagear, não são falsos, não nos traem de forma alguma... eles nos reconhecem aonde for e em todo lugar, não só pelo nosso cheiro, mas pelo nosso JEITO também... eles prestam atenção na gente, mesmo quando a gente não está nem ligando pra eles... pessoal, os ANIMAIS são preciosos!!! Mais que qualquer diamante do mundo. Sejam os cães mais brincalhões, os gatos mais independentes, os ratinhos mais escabriados, os passarinhos mais quietinhos, as iguanas mais escondidas... mas todos eles SABEM quem somos nós e nos respeitam como nós somos! Não quer nosso dinheiro, não liga pro nosso mau humor, suporta nossa cara feia, nossas roupas velhas, não liga se somos gordos, magros, altos, baixos, negros ou azuis... e lá do lado de fora da casa, no quintalzinho, ou em qualquer cantinho que os colocamos, sabem realmente a ÚNICA coisa que eles vão querer da gente? O nosso olhar.

O animal, enfim, nos AMA como nós somos... e por quê temos que exigir tanto deles???

* Esse foi um post grande, mas um post de coração, um post-depoimento como eu havia dito. Porque o meu amor por TODOS OS TIPOS de animais, é incomensurável, é honesto, é da ALMA... e saibam de mais uma coisa: quando algum animal nos ataca, é porque em algum momento, ele se sentiu AMEAÇADO POR NÓS. Não é como qualquer ser humano, que ataca por maldade, por interesse ou por covardia.

** Para completar esse meu post, INDICO de coração três filmes que resumem o quão importante é o animal para o seu dono e a importância do dono para o seu animal: "Sempre ao Seu Lado", "Marley & Eu" e "Chatran". Uma menção honrosa ao inesquecivel Jack Russel do filme Máskara e ao Benji, o cão peludinho que vivia pelas ruas tentando sobreviver.

CONTINUE LENDO >>

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Big Blog Brasil - Conheça os PARTICIPANTES!!!


Bom, resolvi inaugurar uma nova seção do VemAquiNoMeuBlog, chamada "BIG BLOG BRASIL". Já que esses Reallity Shows fazem tanto sucesso na TV, por que não criar o meu diretamente Online e desenhado, onde você também vota e participa! (só não assiste 24hrs, porque eu não tenho grana pra bancar um Pay-Per View, rs).

Apresentado por Pedro Dumau (do mau mesmo!), o "BIG BLOG BRASIL" será exibido aqui 1 vez por semana, sem dia certo (afinal, eu tenho que ver quando dá tempo!) e começará com 12 participantes de diferentes Estados do Brasil, com suas específicas personalidades e idiotices, entrando na casa (aqui, um cafofo com lage acimentada e piscina de plástico) e sendo vigiado por câmeras (o meu lápis, no caso!) em todos os cômodos possíveis! Depois de um mês, mais 4 participantes entrarão na casa de acordo com o resultado de vocês leitores, que escolherão a entrada dos próximos 4 finalistas. Pensei em colocar um cachorro no meio deles, mas o IBAMA me proibiu alegando que os animais em Reallity Shows saem com muita neurose e alto stress depois de conviver com os loucos confinados.

Então é isso, pessoal... desenharei uma vez por semana situações e acontecimentos que ocorrerão com nossos primeiros 12 participantes na casa mais difamada do Brasil... só aqui, no VemAquiNoMeuBlog!

Agora, fiquem com a apresentação de uma das participantes: Rebecca! E logo abaixo dela, conheça todos os confinados que, aos poucos, serão também apresentados individualmente!!!





* E aqui, as votações serão feitas por ENQUETES!!! Ou seja, você não gastará nada ligando praqueles telefones chatos!

CONTINUE LENDO >>

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Apelidinhos ridículos entre casais


Um dia desses, enquanto eu estava numa fila de banco próximo ao caixa, ouvi um homem, também na fila, aparentando uns 35 anos, bem alinhado e bem vestido, atender o celular e dizer em voz alta: "Oi, Nem... pode falar!". Desculpem a minha radicalidade - ou falta de graciosidade -, mas esses apelidos "cute-cute", melosos e cheios de frufru, são na minha opinião, bastante patéticos. O cara que bancava o George Clooney, se transformou num autêntico Adam Sandler ao dizer aquelas palavras.

Nada contra um casal apaixonado, que vive o romantismo exacerbado e querem deixar isso estampado em gestos e atitudes... mas vão por mim: criar apelidinhos infantis que "simbolize" essa ternura, é no mínimo, ridículo. E não estou numa fase amarga ou insensível para tachar isso, apenas digo o que eu acho... ou melhor, o que eu tenho certeza! Já vi casaizinhos se tratarem como "xu", "amorzinho", "moreco", "bem" (esse, então, já vem de longas datas), docinho, honey (para os mais descolados que acham que falando esses mesmos apelidos melosos em inglês, fica menos idiota)... e o cara me solta um "nem", em alto e bom som, numa fila de banco, onde no máximo, o mais novo ali, tinha 25 anos. Putz, é pagação de mico total! Será que ele não tinha um outro apelido melhor pra chamar a namorada??? Ou chama ela de "amor", logo! Ficaria mais sincero, honesto... agora "nem" parece que já vem com cara, alma e etiqueta de suburbano cafajeste. Nada contra os suburbanos, afinal, eu também sou um. Mas sim, contra a cafajestice que esse termo "nem" denota. Imaginei o cara ontem numa tremenda putaria, enchendo a cara de tequila, metendo a mão na bunda de várias e, hoje, com a cara mais lavada do mundo e com o deboche no olhar, atende o celular e diz: "Oi, N. E. M.". Quase uma sigla para "Não Estava na Malandragem"! Como se o safadão lá dissesse: "Oi, Aline, olha só, eu comi várias gatinhas ontem, me esbaldei com os meus amigos, mas você continua sendo a minha preferida, ok? Por isso, estou te tratando com esse "carinho" no apelidinho". Sei lá, mas esses termos manhosos como "Nem", "Mô", "Linda", "Gatinha"... me soa quase como uma auto-confissão de galinhagem disfarçada de sentimento, devido ao conveniente apelidinho. Algo me diz que os caras não usariam apelidos tão constrangedores para a visão máscula deles, se eles não tivessem o rabo preso ou querendo fazer uma 'média' com a namoradinha para escaparem de alguma merda que aprontaram! Sou meio suspeito com isso.

Já as mocinhas (entre 15 e 29 anos, que fique bem claro), não escondem o preferencialismo em tratar o namorado/noivo/marido com essas alcunhas tão assustadoramente melindrosas, que faz uma criancinha no maternal parecer um diplomático. É "tchutchuquinho" pra lá, "tchutchuquinha" pra cá, "amorzinho", "benzinho", "paixão", "lindinho"... já cheguei ouvir uma menina chamar o namorado de "tiquinho", sendo que o nome do moleque era Rodrigo! Não me perguntem da onde ela tirou esse apelido, ou o quê de tiquinho nele, ela viu!!! E "Docinho de Pudim"...? Fala sério, pessoal, vocês REALMENTE acham que tem como dar credibilidade para alguém que chama o parceiro de "Docinho de Pudim"? Uma mulher no alto de sua bela idade, vê o namorado chegar de carro e fala sem constrangimento algum e bem entusiasmada: "Ai, ele veio!!! Meu Docinho de Pudim!!!" E correu para beijá-lo fervorosamente. Na hora, eu cheguei a pensar que ela estava esperando o doce de pudim que ele trazia para ela... mas não... o doce de pudim era ELE! Fora aqueles apelidinhos toscos comparados com animais, como "Ai, minha borboletinha... você ta tão gostosinha!", e ela "Ah, tigrão... me preparei toda especialmente pra você, gostou? MIAU!" E com direito ao som produzido pelos felinos, pra dar o tom certo da ridicularização final. Mas o mais engraçado é perceber que com o tempo, esses animais crescem: enquanto são jovens, ambos são tratados como "gatinho", "gatinha", "coelhinho", "coelhinha", depois de 25 anos de casados, já estão um chamando o outro de "Aquela vaca da minha esposa!", "O Tonico engordou que nem um porco!", e por aí vai.

Portanto, não sou contra os apelidos carinhosos e apaixonados, mas que ao menos, criem termos menos vexatórios. Porque daqui a pouco teremos como Presidente, o Excelentíssimo "Chuchu" de Azevedo, e sua Primeiríssima Dama, Dona "Bonequinha de Mel"!

* Marcel Camp gosta que lhe chamem pelo nome. Ou então de gostosão. Mas isso, em momentos apropriados! =P

CONTINUE LENDO >>

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Coisas que eu vejo pela internet #14 - "Alunos Aplicados"

Sabemos que a Educação anda precária no nosso país já não de hoje... mas o que alguns "estudantes" fazem é sacanagem!


Ou são completamente rebeldes ou são inteiramente imbecis. Acredito na primeira hipótese!

Vejam o que eles andam escrevendo nas provas:


* Clique na imagem para ler essas sandices!


CONTINUE LENDO >>

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O Coringa (vale muito a pena LER!!!)


O Coringa (ou Joker, em inglês, "piadista") é o maior vilão da DC Comics, arqui-inimigo de Batman. Foi criado pelos roteiristas Bill Finger e Bob Kane a partir de uma sugestão do desenhista Jerry Robinson, aparecendo pela primeira vez em Batman #1 (1940). Ele é um psicótico altamente perigoso com uma aparência similar a um palhaço (cabelos tingidos de verdes, pele com uma maquiagem branca e boca pintada de vermelho sempre sorridente), que busca sempre desafiar o Homem-Morcego, causando grandes danos em sua vida, seja de maneira física ou psicológica.

Além de ser o maior inimigo de Batman, é um dos personagens mais famosos dos quadrinhos. São raros os vilões que conseguem tamanha popularidade como ele conseguiu, sendo considerado por muitos, como o mais célebre vilão das Histórias em Quadrinhos.

A Origem do Vilão:

O Coringa fora criado a partir de uma foto do ator Conrad Veidt no filme "O Homem que Ri" (The Man Who Laughs, de 1928) trazida pelo roteirista Bill Finger, e uma carta de baralho trazida pelo desenhista Jerry Robinson.

De alguma maneira não se sabe a história verídica sobre como o Coringa surgiu, de onde veio, etc. Apenas sabe-se que, desde que o Batman surgiu nas ruas de Gotham nos primeiros números de sua revista, o Coringa decidiu combatê-lo, causando pânico e terror para atingi-lo.

Em sua primeira aparição, em 1940, o Coringa era um ladrão de joalherias, que matava as pessoas presentes no local do assalto. Nos anos 40 e 50, Coringa sempre aparentava morrer no final das histórias, mas nunca achavam seu corpo. O personagem se alterou para uma versão mais amena nos anos 60 devido ao Comics Code Authority, que vigiava o conteúdo das histórias em quadrinhos. O personagem voltou a uma versão próxima a original só em 1973, quando Dennis O'Neil e Neal Adams reformularam o personagem, criando a imagem definitiva que temos do Coringa até hoje: um maníaco homicida, causador da anarquia e do caos, obcecado pelo Batman .

Em 1951, a revista Detective Comics #168 criou uma origem para o vilão. Um bandido apelidado de Capuz Vermelho tenta assaltar uma fábrica e quando Batman invade o lugar, o bandido cai acidentalmente num tonel de produtos químicos. É dado como morto, mas 10 anos depois ressurge completamente louco, com o rosto deformado sob uma forte maquiagem que escondia as cicatrizes. Essa história acabou sendo reescrita por Alan Moore na cultuada HQ Batman: A Piada Mortal.

Em 1953, a Editora Brasil-América Ltda., a Ebal, do Rio de Janeiro, que lançou as histórias em quadrinhos do Batman no Brasil decidiu que a palavra Curinga, o sinônimo correto para o Joker (em inglês), era muito feia e trocou-a por Coringa. O verdadeiro nome do Coringa foi revelado nessas edições, e ele se chama Joseph "Joe" Kerr.

Suas Habilidades:

Por mais de uma vez, o Coringa demonstrou a força e resistência anormal dos loucos incontroláveis, embora, ao contrário do arquiinimigo Batman, não seja um perito em técnicas de luta. Neste estado de insanidade, porém, é um combatente hábil, capaz de segurar uma briga contra o homem-morcego, e algumas vezes até subjugá-lo. Dizem que ele não liga para a dor, o que pode o tornar ainda mais "poderoso" num confronto. O curioso também é que, apesar delouco, o Coringa é um homem inteligentíssimo, com uma mente elaborada e complexa que detalha uma ação de forma assustadora.

Pode-se dizer ainda, que o Coringa, graças a seu oportunismo, e avançada inteligência, tem, em uma série de situações, a capacidade de levar os outros à total e decadente loucura. Ele incita o desequilíbrio mental e emocional. Como visto no filme Batman - O Cavaleiro das Trevas, quando o Coringa entorpece o bom senso de Harvey Dent quando este está no hospital, subjugando-o às loucuras niilistas de seu subconsciente, quando por fim o promotor acaba por se tornar o Duas-Caras.

Sempre com sarcasmos e um senso destrutrivo à flor da pele, o Coringa constrói situações nos quais as vítimas passam a acreditar que elas mesmas tem um percentual de culpa por alguma tragédia ou crime, provocada, claro, pelo Coringa. Isso, talvez, é o que faz ele ser o mais temido entre a psiquê dos vilões que Batman enfrenta.

A lista de atribuições de Coringa é considerada "invejável". Se trata de um sádico, psicótico, maníaco e homicida. Porém, acima de tudo, um gênio! Ele tem um elevado conhecimento químico, de engenharia, explosivos e de psicologia. O que faz o Coringa ser um tanto "invejado" por Batman, é algo que nenhum outro vilão seu faz, que é sorrir diante de um fracasso ou de uma derrota; e isto é algo que Batman nunca consegue compreender realmente, causando também uma certa obsessão pelo vilão.

A mente de Coringa é algo tão complexo quanto se pode imaginar. Ele nunca é capturado definitivamente, e sua personalidade e suas maneiras de proceder, que são únicos, diante de uma situação são que fazem dele um vilão que tem mais fãs do que muitos super-heróis.

A Relação com o Cavaleiro das Trevas:

A relação de ódio entre ambos é, por sinal, única entre todos os inimigos do Homem-Morcego; pois enquanto outros vilões apenas odeiam o Batman querendo matá-lo, ou evitá-lo, o Coringa parece não querer exatamente o mesmo. Por várias vezes, teve a chance real de matar o Homem-Morcego, mas nunca foi adiante, deixando claro que sua intensão é destruir o herói em sua mais profunda essência, no âmago, no caráter.

Na verdade, a crueldade e insanidade de seus ataques, parece buscar enlouquecer ao Batman, como retratado no clássico A Piada Mortal. Muitos veêm nisso, que o objetivo do Coringa não é matá-lo, mas sim derrotar o único homem que crê rivalizar com ele em genialidade, convertendo-o ao mundo dos loucos, derrotar o Batman, não tornando-o um mártir, mas sim, mostrando que tinha razão em ser insano, anárquico, niilista, caótico, sem esperanças. Provar, enfim, que Batman é IGUAL a ele... o que nunca aconteceu, portanto, o herói ainda se mantém íntegro.

As mais importantes Obras:

Uma possível origem do Palhaço do Crime foi contada na Graphic Novel (Edição Encadernada) intitulada Batman - The Killing Joke (Br: Batman, A Piada Mortal) de 1988. Escrita por Alan Moore, um dos mestre dos roteiros de quadrinhos, e desenhada detalhadamente pelo ótimo Brian Bolland, esta edição especial é considerada uma das melhores histórias de super-heróis já escritas e a mais reveladora entre o Coringa e Batman.

Nela, acompanhamos a origem do personagem sendo contada através de flashbacks. Após fugir do Asilo Arkham, o Coringa decide provar ao Batman que basta apenas um momento de intensa pressão psicológica para que um indivíduo escolha a loucura como meio de subjugar uma realidade de intenso sofrimento. Para isso, o Coringa e seus comparsas invadem a casa do Comissário James Gordon, para sequestrá-lo. Além disso, o Coringa dá um tiro na barriga da filha do Comissário, Barbara Gordon, deixando-a incapacitada, em seguida ele a violenta sexualmente (sugerido pelos autores) registrando tudo em fotos. Posteriormente, o Coringa leva o Comissário a um parque de diversões e o coloca numa montanha-russa que circula em meio a projeções de fotos de sua filha sendo violentada. Com isso, ele tenta provar sua tese, deixando Gordon louco. Após intervenção do Batman, salvando Gordon e prendendo o Coringa, a tese deste não é provada conclusivamente, pois vê-se que Gordon não enlouqueceu, apesar de toda a tortura psicológica a que fora submetido. Isso levanta a questão: Por que será que alguns escolhem a loucura como refúgio de uma realidade massacrante (como o Coringa e o próprio Batman), e outros não? O final dessa cultuada Graphic Novel, se dá com uma piada contada por Coringa ao Batman:

"Tinha dois caras no hospício... uma noite, eles decidiram que não queriam mais viver lá... e resolveram escapar pra nunca mais voltar. Aí eles foram até a cobertura do lugar e viram, ao lado, o telhado de um outro prédio apontando pra lua, apontando para a liberdade! Então, um dos sujeitos saltou sem problemas pro outro telhado, mas o amigo dele se acovardou. É, ele tinha medo de cair. Aí, o primeiro cara teve uma idéia, e disse:
-Ei! Eu estou com minha lanterna aqui. Vou acendê-la pelos vãos dos prédios e você atravessa sobre o facho de luz!
Mas o outro sacudiu a cabeça e disse:
- O que você acha que eu sou? Louco??? E se você apagar a luz quando eu estiver no meio do caminho?!"

Despois de contar sua piada, o Coringa começa a gargalhar. De repente, e surpreendentemente, o próprio Batman que o levava preso, abre também um sorriso chocando os leitores. Afinal, quem é o certo nesta história: O Coringa que quer provar a todos sobre "a loucura" ou o Batman que tenta mostrar o "LADO CORRETO" da justiça?

O premiado roteirista e desenhista Frank Miller, em sua primeira Graphic Novel sobre o Batman, entitulada The Dark Knight Returns (br: O Cavaleiro das Trevas), de 1986, deixa a loucura meio de lado e mostra dessa vez um Coringa extremamente violento e frio, como um assassino em massa assustador, sem nenhum viés cômico. Esta versão do Coringa foi uma das mais polêmicas, pois fortes conotações homossexuais foram atribuídos ao personagem, colocando até em primeiro plano essa tendência homo-afetiva nas relações dele com o Batman (que não manifesta iguais tendências). Uma bizarra relação de amor/ódio num momento de violência gratuita tão extrema do Coringa, que leva Batman, ao final, adotar medidas igualmente extremas que surpreende o palhaço do crime.

Outro que usa essa artifício de retratar o Coringa como homossexual é o roteirista Grant Morrison em Asilo Arkham. Nesta história, ele escreve uma cena em que o Coringa cutuca com o dedo médio, o Batman, causando uma previsível discussão entre os leitores. Batman reage irritado: "Tire suas mãos sujas de mim". A conotação gay dada ao Coringa nesta história fica ainda mais clara em outras duas cenas. Já em sua primeira aparição na mesma, ele pergunta: "Não sou gostoso o bastante pra ser comido?" e posteriormente abraça o dr. Charles Cavendish, diretor do Asilo Arkham, gritando: "Me beija, Charlie! Me estupra! Mas nada de língua, ouviu? Não no primeiro encontro." Outros leitores, atribuem a isso, simplesmente um deboche vindo da loucura desenfreada e rebelde do personagem, que não se relaciona à sexualidade dele... mas sim, à provocação que o Coringa está sempre querendo causar.

O Coringa nos Cinemas:

A personalidade e o carisma do Coringa permitiram interpretações famosas e marcantes do personagem nos cinemas e na TV, com destaque para o anárquico Coringa de Cesar Romero (que o fez por anos, na série de TV), para o carismático Coringa de Jack Nicholson e para o assustador Coringa de Heath Ledger.

O primeiro filme do Batman nos cinemas, foi feito em 1966, e teve Cesar Romero como o primeiro intérprete do Coringa, vindo já de sua experiência com o personagem na série de televisão. Cesar Romero interpretou o personagem em uma versão mais cômica e menos homicida, talvez, pela censura da época.

No bem mais sucedido e lucrativo filme de 1989, dirigido por Tim Burton, Jack Nicholson interpretou o Coringa, com grande aclamação crítica. O filme criou uma identidade para o vilão, Jack Napier, colaborador do chefe da Máfia de Gotham. No filme de Burton, o personagem é também o responsável pela morte dos pais do ainda pequeno Bruce Wayne (o Batman) e ganha uma origem, parecida com a retratada na Graphic Novel A Piada Mortal. Alguns fãs gostaram muito mais do Coringa feito por Nicholson do que o Batman feito pelo ator Michael Keaton, o que foi irônico.

Já, no filme O Cavaleiro das Trevas, de 2008, é introduzido uma nova versão do personagem, interpretada assombrosamente por Heath Ledger (que faleceu com apenas 28 anos em Janeiro de 2008, vitimado por uma overdose de tranqüilizantes, antes mesmo da estréia do filme). Este novo Coringa possui um visual mais realista, psicótica e sombria, com apenas o rosto maquiado (ao contrário de todas as demais versões, nas quais toda a pele de seu corpo era branca), cabelos mais longos que os da versão "clássica", tingidos de verde, além de um sorriso construído com cicatrizes. A origem dessa cicatrizes não fica bem clara no filme, construindo uma aura de suspense ainda mais intrigante, pois o próprio Coringa apresenta duas versões para o seu surgimento: ao mafioso Gambol, afirma que seu pai, drogado e bêbado, cortara sua boca e bochechas, porém, para a personagem Rachel Dawes, diz que ele próprio as produzira, para tentar consolar sua mulher, desfigurada por agiotas, o que acabou por provocar o fim de seu casamento. Ao contrário da interpretação do talentoso Jack Nicholson, que mostrou um Coringa essencialmente debochado e cômico, o ótimo Heath Ledger o interpretou de uma forma bem mais dramática e agressiva. Sua personalidade é completamente alucinada e violenta. Segundo registro da revista Superinteressante, Ledger foi tão convincente em sua atuação que o consagrado ator Michael Caine, que interpreta o mordomo Alfred, disse que, sem ter conhecido Ledger antes do filme, ficou tão assustado ao contracenar com o novo Coringa que chegou a esquecer suas falas. O inesquecível desempenho foi premiado pela Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood e pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas que lhe concederam tanto o Globo de Ouro como o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, em 2009, prêmios recebidos postumamente.

Curiosidades Finais:

  • Há uma história no campo da atuação, que para muitos atores é real, que diz que determinados personagens são tão complexos, profundos e inquietantes para se interpretar, que ao incorporá-los, alguns atores sofrem emocionalmente e até psicologicamente. Nicholson disse que quando interpretou o Coringa, já conhecia a carga dramática e pesada que o personagem tinha e preferiu fazê-lo de uma forma mais amena, e mesmo assim, foi acometido pelo "peso" da personalidade do vilão... Romero também defende que o Coringa é um poço muito estranho de sentimentos... e Ledger desafiou o personagem quando se trancou por um dia lendo várias revistas do vilão e estudando e analisando comportamentos psicóticos e vendo filmes que retratavam a loucura. Essa pressão insuportável que o Coringa carrega em seu perfil, dizem, foi o que desnorteou Ledger.
  • O personagem foi criado para ser o contra-ponto imediato de Batman... mas seus criadores perceberam que o Coringa tinha tanto carisma e fascínio entre os leitores, que em alguns quadrinhos, ele "rouba a cena".
  • As cores berrantes do personagem, que contrastam diretamente com as cores sombrias e sempre escuras de Batman, servem também para ludibriar seus opositores; já que muitos vêem ele como uma figura ingenuamente patética como um verdadeiro palhaço, não o levando a sério, e consequentemente, não atacam ele em um primeiro contato.
  • Entre todos os vilões das Histórias em Quadrinhos, o personagem "Coringa" é considerado o melhor, e já ganhou prêmios, respeito e consolidação por várias histórias sérias que criaram para ele. Ele é tão, ou mais famoso que muitos heróis.
* Eu admito que sou um fã ardoroso por esse personagem... O Coringa é a VIGÉSIMA SEGUNDA imagem que compõe o título desse Blog!

CONTINUE LENDO >>
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...