Textos, Imagens, Humor, Críticas, Literatura, Música, Filmes, Séries, Desenhos, Quadrinhos, Internet, Notícias e alguma sacanagem sadia...

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Martin Scorsese

Martin Scorsese queria ser padre, mas logo, foi atraído pelo mundo mágico do cinema. Scorsese admitiu sua obsessão pela Sétima Arte no documentário de 3 horas e 45 minutos que realizou em 1995, chamado "A Personal Journey with Martin Scorsese Through American Movies" ("Uma jornada pessoal com Martin Scorsese pelo cinema americano").

Scorsese frequentou a escola de cinema da Universidade de Nova Iorque e se tornou amigo de outros futuros renomados diretores como Francis Ford Coppola (trilogia O Poderoso Chefão, Apocalipse Now, A Conversação...) George Lucas (trilogia Star Wars, THX 1138, Loucuras de Verão...), Steven Spielberg (trilogia Indiana Jones, O Império do Sol, ET - O Extrerrestre) e Brian de Palma (Carrie - A Estranha, Os Intocáveis, Scarface, O Pagamento Final...). Foi Brian de Palma, inclusive, que o apresentou a Robert De Niro, de quem se tornou amigo íntimo, tendo trabalho juntos em vários projetos (Caminhos Perigosos, Taxi Driver, New York New Yor, Touro Indomável, O Rei da Comédia, Os Bons Companheiros, Cabo do Medo, Cassino).

(Entre amigos - da esq. p/ dir: Steven Spielberg, Martin Scorsese, Brian De Palma, George Lucas e Francis Ford Coppola. Uma mesa de respeito!)

Em 1976, Scorsese deixou o mundo do cinema de boca aberta com Táxi Driver. O filme é protagonizado por Robert de Niro e Jodie Foster, que têm performances brilhantes, num retrato considerado dos mais violentos e crus sobre a vida em Nova Iorque alguma vez levado à tela. Taxi Driver recebeu quatro nomeações para o Oscar, incluindo o de melhor filme, e encorajou Scorsese a avançar cada vez mais na carreira como cineasta.

(Nas filmagens de "Taxi Driver", com o amigo Robert De Niro)

Em 1978, convencido de que não faria mais nenhum filme, devido ao um estado de saúde que se tornou precário, colocou todas as suas energias na realização de Touro Indomável (Raging Bull); amplamente reconhecido como sendo uma obra-prima, o filme recebeu oito nomeações para os óscares, incluindo as de "melhor filme", "melhor actor" (Robert de Niro) e pela primeira vez, a de "melhor diretor". Robert de Niro ganhou, mas Scorsese perdeu para o primeiro filme de Robert Redford. Isto manteve Scorsese na produção de filmes, mas sem um grande êxito de bilheteira, teve que continuar a lutar para os conseguir realizar.

Até meados dos anos 80, Scorsese fez mais três filmes "menores", O Rei da Comédia (com De Niro e Jerry Lewis), Depois de Horas (um drama de humor negro) e A Cor do Dinheiro. Este último, protagonizado por Paul Newman e Tom Cruise, deu a Newman o seu primeiro Óscar como ator principal, assim como deu a Scorsese a segurança para iniciar um projeto que há muito lhe era querido, A Última Tentação de Cristo.

(Willem Dafoe como Jesus Cristo de Nazaré, no polêmico "A Última Tentação de Cristo", de Scorsese)

Scorsese filmou A Última Tentação de Cristo com um pequeno orçamento, sabendo que o filme seria controverso e que por isso não lhe traria grandes dividendos comerciais. No entanto, nada lhe fazia prever o furor que o filme causaria: grandes protestos nacionais (incluindo alguns a favor), nunca antes vistos por causa de um filme. Scorsese recebeu a sua segunda nomeação para melhor diretor, que no entanto viria a perder para Barry Levinson. Anos depois, teve o ímpeto de encarar o universo mafioso e assim realizou Os Bons Companheiros, que se tornou o seu filme mais visto e provavelmente o seu maior êxito de bilheteira.

(O vigoroso "Os Bons Companheiros" retrata de forma violenta e cruel a máfia ítalo-americana)

Com Os Bons Companheiros, Scorsese retornava à sua nativa Nova Iorque, e voltava a trabalhar com Robert de Niro e Joe Pesci. Este filme sobre a vida de um gangster, foi considerado o melhor filme sobre a Máfia desde O Poderoso Chefão de seu amigo Coppola, e assegurou a Scorsese um lugar entre os melhores diretores de sempre. Conseguiu com ele a sua terceira nomeação, mas mais uma vez perdeu para um estreante, desta vez Kevin Costner com Dança com Lobos.

Seguidamente, dirigiu um remake - o que não era muito de seu feitio - do suspense de 1963, chamado Cabo do Medo, e provou a Hollywood que era capaz de conseguir um êxito de bilheteira.

(Robert De Niro aterrorizante como o sociopata Max Cady, de "Cabo do Medo")

A produção de Gangues de Nova Iorque, já em 2002, foi vista como a sua aventura mais arriscada até à altura. Filmado originalmente para ser lançado no Inverno de 2001 (para se qualificar para a nomeação dos óscars), Scorsese adiou a produção final até ao início de 2002; consequentemente, o estúdio adiou-o quase um ano para ser apresentado na época seguinte dos óscars. Com um orçamento de mais de 100 milhões de dólares, este foi o trabalho mais dispendioso de Scorsese. As críticas ao filme foram moderadamente positivas. Em fevereiro de 2003, Gangues de Nova York recebeu dez nomeações para o Oscar; recebendo a sua quarta nomeação para melhor diretor, muitos pensaram que seria desta vez que Scorsese levaria o Oscar, mas, em vez disso foi Roman Polanski com seu perfeito O Pianista, quem levou o troféu.

(O elenco do épico "Gangues de Nova Iorque", com o magistral Daniel Day Lewis como o maligno açougueiro Butch)

Scorsese recentemente tem trabalhado com o ator Leonardo Di Caprio, que se tornou seu novo favorito. Seu primeiro trabalho com ele foi em Gangues de Nova York, mais tarde realizou O Aviador, sobre a vida do excêntrico milionário Howard Hughes, uma biografia extremamente complicada, que resultou em 11 indicações ao Oscar, dentre essas de melhor filme, melhor diretor, melhor ator (Leonardo Di Caprio), e recebeu 5 prêmios. No entanto, Scorsese perdeu novamente o prêmio de melhor diretor para Clint Eastwood, por Menina de Ouro.

Em 2006, inicia mais um projeto envolvendo gângsters, dessa vez em Boston, com Leonardo Di Caprio novamente no papel principal e com a primeira parceira entre Scorsese e Jack Nicholson, que nesse caso está substituindo um papel que era originalmente de Robert DeNiro, Os Infiltrados, baseado no filme chinês Conflitos Internos. O filme ficou sendo considerado como um dos seus melhores, sendo equiparado com Taxi Driver. Martin Scorsese recebeu o Globo de Ouro de Melhor Diretor, e foi indicado a 5 Oscars, e finalmente, levou o prêmio máximo de Melhor Diretor por esse trabalho.

(Scorsese dirigindo os ótimos Leonardo Di Caprio e Matt Damon, no forte policial "Os Infiltrados")

No tenso e claustrofóbico terror psicológico A Ilha do Medo, Scorsese volta mais uma vez a trabalhar com Di Caprio, numa atmosfera noir e opressora onde um suposto prisioneiro escapou de um manicômio. No filme, a fotografia juntamente com os enquadramentos de câmeras do diretor, nos causa uma intensa agonia, como se o perigo pudesse vir de todos os lados e onde ninguém parece ser confiável. Di Caprio oferece uma de suas mais pertubadoras performances, que aliada à fantástica direção de Scorsese, caiu nas graças da crítica e do público, provando que a dupla funciona perfeitamente juntos.

(Novamente, Martin comandando craques: DiCaprio, Mark Ruffalo e Ben Kingsley no intrigante "A Ilha do Medo")

Críticos e estudiosos do cinema chamam-lhe de "o maior diretor americano vivo"; vários dos seus filmes ocupam lugar de destaque nas listas dos melhores filmes do "American Film Institue" (AFI) e na lista dos 250 melhores da Internet Movie Database (o IMDB). Embora seja alvo de grande admiração, e um dos nomes mais reconhecidos da indústria cinematográfica americana no mundo, por muitos anos foi considerado o grande "injustiçado" pela Academia de Artes e Ciências Cinemaotográficas, por nunca ter ganho um Oscar.

CURIOSIDADES:

- Vindo de uma família de classe média de origem italiana, Martin Scorsese se graduou em Cinema na Universidade de Nova York, aos 22 anos;

- Na época de estudante, seus curtas fizeram grande sucesso no meio cinematográfico, rendendo-lhe um convite do famoso produtor Roger Corman para dirigir Sexy e Marginal, em 1972;

- Ao longo da década de 70, Scorsese se estabeleceu como um dos grandes diretores de cinema dos Estados Unidos, graças a seus filmes de grande profundidade nos temas, histórias interessantes sobre a violência urbana, e seus personagens de bastante complexidade e perturbações diversas.

- Em 97, se envolve em outra grande polêmica ao filmar Kundun, drama político a favor do povo tibetano, que faz com que seja considerado persona non grata no território chinês;

- Aos 14 anos, decidiu entrar para um convento, mas a vida de seminarista não perdurou por muito tempo;

- Trabalhou em várias funções no cinema, entre elas supervisor de montagem do filme "Woodstock" (1969) e ator em "Quiz Show - A Verdade nos Bastidores" (1994) e "A Musa" (1999);

- Harvey Keitel, Robert De Niro e Leonardo Di Caprio são seus atores preferidos. Keitel atuou em três filmes dirigidos por Scorsese ("Alice Não Mora Mais Aqui", "Taxi Driver" e "A Última Tentação de Cristo"), enquanto que De Niro atuou em 7 ("Taxi Driver"; "New York, New York"; "Touro Indomável"; "O Rei da Comédia"; "Os Bons Companheiros"; "Cabo do Medo" e "Cassino"); já Di Caprio atuou em 4 ("Gangues de Nova Iorque", "O Aviador", "Os Infiltrados" e "A Ilha do Medo").

- Tem o brasileiro Glauber Rocha como um de seus diretores prediletos;

- Foi casado com a atriz Isabella Rossellini;

- Dirigiu o clip da música "Bad", de Michael Jackson;

- Foi o primeiro diretor convidado a dirigir A Lista de Schindler, mas recusou por achar que não conseguiria fazer um trabalho tão digno quanto um diretor judeu poderia fazer... e então ofereceu ao amigo Steven Spielberg, e disse "Essa obra é a sua cara e tem a sua alma, vá em frente!".

* Sou um grande fã dos trabalhos de Martin Scorsese. É um dos poucos cineastas que transforma um filme em algo tão visceral, extraindo o melhor de cada ator. Ele é a DÉCIMA QUARTA imagem no título desse Blog.

9 comentários:

  1. Os Bons Companheiros gerou uma das maiores discussões que eu já vi é o melhor filme de gangster [?] Afinal há também O Poderoso Chefão né!
    Abraços Marcel e Tenha um Ótimo final de Semana!

    ResponderExcluir
  2. Uhu \o/ isso é que eu chamo de “passar a ficha completa do cara” huhuhu

    Kra aquele Os Infiltrados é ótimo filme, pra mim é um dos melhores do Martin ... pra quem gosta igual eu.. si amarra


    Deixei 2 selinhos pra vc amoré;*

    bjuus

    ResponderExcluir
  3. Uma coisa que me chama atenção (ponto de vista meu) é uma certa frieza nas histórias dirigidas por ele. O desfecho de "Os Infiltrados", por exemplo... Habitualmente, quando há um mocinho e um bandido em um filme, trava-se uma batalha e um dos dois sobrevive. Nesse filme, nenhum dos dois! Fenomenal a frieza de De Niro em "Cabo do Medo" também, assim co Di caprio em "O Aviador". porém, são histórias complexas e extremamente atraentes, que conseguem prender desde o começo. Há que se destacar também o sucesso estupendo de "A Última Tentação de Cristo", massacrado pela mídia puritana na ocasião de seu lançamento.
    Sem dúvidas, Scorsese mostrou pra que veio... É dom!

    ResponderExcluir
  4. Amo Scorsese, mesmos em filmes com roteiros batidos como Ilha do Medo consegue passar uma veracidade impecável as ações, na minha preferência tenho Taxi Driver como sua grande obra =)

    ResponderExcluir
  5. Oiieeeee
    Indiquei um selo pra vc, tá lá no meu blog te esperando ;-)
    bjs !!!! e ótimo fds!

    ResponderExcluir
  6. Ta aí acho que não assistir nem um filme que ele dirigiu .. mas fiquei curiosa com a ficha completa que você passou ahahahaha
    vou procurar assistir :D

    ResponderExcluir
  7. Vim todo animadinho bancar o fada dos selos, mas Daniela passou na minha frente :(

    ResponderExcluir
  8. Ótimo blog, parabéns , seguindo!!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...