Textos, Imagens, Humor, Críticas, Literatura, Música, Filmes, Séries, Desenhos, Quadrinhos, Internet, Notícias e alguma sacanagem sadia...

quinta-feira, 17 de março de 2011

BadernaCast #15 - Falamos sobre a 1ª temporada da série LOST



O Badernacast é o podcast coletivo no qual participo, e foi criado para o blog OUltrabadernista de Alexandre Lessa (o Pimp Mal), e integrado por mim e pelo amigo Rafael Frassetto.

Nesta edição, falamos sobre o seriado LOST. Um marco na televisão mundial em relação a expansão da mitologia e simbolismos criado exclusivamente para o universo da série, transformando-a num produto altamente pop. Um elenco notoriamente talentoso e que segura um roteiro intrincado, cheio de reviravoltas e com perguntas que deixavam o espectador querendo cada vez mais respostas. Essa parte do podcast, só falamos sobre a primeira temporada, que definitivamente, marcou o sucesso da série e angariou seus fãs.

Pegue o vôo 815 e embarque com a gente nessa ilha maluca repleto de mistérios mais malucos ainda:



Se não conseguir ouvir por aqui, taqui o link direto: http://www.4shared.com/audio/bIvndhWO/BadernaCast_15.html

* Deixe seus comentários antes que o Monstro de Fumaça pegue você!

18 comentários:

  1. Tentando publicar comentário mas está dando "erro de execução". Não sei que merda é essa e nem sei se essa comentário-observação vai ficar aqui.
    Continuo tentando e caso não consiga, envio pro email. Depois confere lá.

    ResponderExcluir
  2. Não consegui. Comentário enviado por email!
    Bj.

    ResponderExcluir
  3. Mas aqui, seu comentário saiu... =)

    ResponderExcluir
  4. Sim. saíram dois comentários. Mas o conteúdo que digitei sobre o podcast não foi aceito. Fui ouvindo e digitando no word pra postar ao final... Tá no email!

    ResponderExcluir
  5. 1º. O Clooney não é horroroso!!! 2º. Esperando pra “rir de cara de vocês de novo” em uma próxima discussão sobre o Coringa! Hahaha!

    Sobre LOST...

    Um fenômeno, sem sombra de dúvidas!
    Sem querer pular etapas e varar fronteiras, já que o podcast trata somente da primeira temporada, o que acho é que a graça da coisa esteve no desfecho o tempo todo. Habitualmente desfechos são alterados de acordo com as expectativas e as reações do público, e isso não aconteceu em LOST. O final foi exatamente como se especulou desde o primeiro capítulo. Tenho um problema GRAVE com séries e não acompanhei as temporadas por completo, mas vamos nessa...

    ResponderExcluir
  6. Continuação...
    Realmente geravam esperas angustiantes no intervalo de apresentação dos episódios. A trama foi extremamente bem amarrada, e as idas e vindas dos personagens em suas supostas memórias deram um tom de suspense ainda mais interessante (no meu ponto de vista!) que as criaturas encontradas na ilha e as situações passadas; justamente por remeter a um ‘provável’’ que poderia não ser tão provável (o despertar próximo à cadeira de rodas, por exemplo).

    ResponderExcluir
  7. Continuação...
    A ‘diversidade funcional’ (presidiária, médico, rockeiro, oficial do Iraque, e por aí vai...) dos personagens, assim como variação nas personalidades foi sensacional. Havia gente de tudo quanto era lugar e de todos os tipos, tipos esses que contrastavam entre si e, paralelo a isso, representavam mesmo o conteúdo cultural e regional de cada um deles (mais um exemplo: o conflito gerado pelo casal de coreanos, onde se vê claramente os dramas da submissão imposta pela cultura deles). Outra questão é o fato de que cada um deles se encontrava em um momento ‘decisivo’ de vida quando o avião caiu.

    ResponderExcluir
  8. Continuação...
    As associações entre lembranças e presente fizeram com que cada personagem crescesse na perspectiva do público, como você mencionaram, fazendo o contraponto certo entre defeitos e qualidades, como se aquela situação na ilha fosse uma chance dada de corrigir essas atitudes do passado. Ao mesmo tempo, ninguém sabe quem é quem e por conta disso, não há como confiar, mas é preciso confiar pra garantir a sobrevivência. Mexe-se com o humano de forma direta aí: como confiar e juntar-se à alguém que talvez tenha um passado difuso? Mesmo em situação de caos, como era ali, a desconfiança existe e faz com que cresçam mesmo as torcidas de parte do espectador. Como foi mencionado: entre si eles desconheciam situações passadas, mas o espectador conhece e isso gerava maior envolvimento.

    ResponderExcluir
  9. Continuação...
    Sobre a cena de Locke e Sawyer (mais bonito que George Clooney, por sinal!)... Estar na cadeira de rodas e em determinado momento caminhando em uma ilha. “Vamos caçar!” Superação! Fica clara a vontade do personagem de superar o que ele era nesse momento presente (pelo menos eu via dessa forma!); como se fosse uma desforra do próprio personagem: eu não podia, mas agora eu posso! Foi como uma revelação perfeita mesmo de traumas que podem ser vencidos naquela situação surreal. Não havia como Locke não tirar proveito disso! E de certa maneira, isso enredava a vida de todos os personagens ali por oferecer a chance de corrigir falhas passadas, reverter os ‘pecados’ cometidos e alterar suas realidades naquela situação ‘alternativa’ em que se encontravam. Com isso, o choque de interesses e personalidades seria inevitável, rendendo grandes cenas e sacadas da série.

    ResponderExcluir
  10. Aquele ‘urso polar’ foi bizarro demais pra mim. Em compensação a transmissão foi um dos pontos que mais me prendeu a atenção; talvez o que tenha me intrigado mais mesmo. Não havia como aquela gente manter a calma em situação de tanto desespero e frente ao que é desconhecido; estabelece-se o caos sobre o caos, gerando a disputa por uma suposta liderança, aumentando as desconfianças em relação ao passado de cada um deles (a velha história de confiar em quem você não conhece, mas precisa disso) e levando à formação dos subgrupos. A possibilidade do confronto iminente com Os Outros aumenta esses focos. Uma série complexa por mexer exatamente com essa coisa do improvável incutido em cada personagem e por divagar claramente entre passado e presente de cada um deles, sem que exista uma perspectiva concreta de futuro.

    ResponderExcluir
  11. Continuação...
    Quando vocês falam na morte do Ethan... Matar o Ethan, ao meu ver, deu um ‘booom’ na série justamente pelo questionamento de quem ele era, o que fazia ali, quais eram suas intenções e como teria sido se não tivesse morrido, de repente fomentando alguma ‘rivalidade’ (não seria exatamente esse o termo, mas não achei outro!) a mais entre os personagens. Vejo o entrosamento entre o Charlie e a Claire como uma chance de remissão dele também, que sente culpa pelo uso de drogas e busca uma chance de corrigir isso.

    ResponderExcluir
  12. Continuação...
    Queimar a balsa para que não se consiga sair da ilha... O inesperado pode ser uma salvação em alguns momentos! A rivalidade entre Michael e Locke gira em torno da inveja mesmo, uma vez que o Locke consegue cativar o menino e ele não sabe como fazer, além da intriga em relação aos dons do Walt (que o pai parece não entender). E esse queimar a balsa fica como mais um vínculo entre Locke e Walt, que dão o ponto da mistura de fenômenos e ‘fé’. Inclusive, esse conflito entre realidade e fé acaba afastando e, de certa forma, aproximando Jack e Locke.

    ResponderExcluir
  13. Continuação...

    Outros dois pontos que destaco seriam: Keith tentando omitir sua condição de presidiária sem nem ao menos ter uma convicção clara dessa condição, mas com medo de sofrer preconceito (e isso gera a cumplicidade entre ela e Jack); e os conflitos éticos que surgem em Jack devido à medicina.
    Vejo o sucesso da primeira temporada fundamentado nesse fato de apresentar algo diferente, dentro de um contexto variado, e que a cada final de episódio deixava u ponto de interrogação. Foi como apresentar na televisão um conteúdo inesperado onde as pessoas estavam habituadas à mesmices.

    ResponderExcluir
  14. Agora ficou legal!!!!

    ESSA É A MAIS NOVA TÁTICA PARA O PODCAST TER MAIS DE 10 COMENTÁRIOS... COISA QUE EU SEMPRE QUIS!

    UHAUHAUHAUHA

    ResponderExcluir
  15. Sabia que devia ter alguma estratégia aí...
    Pronto! Com esse mais um comentário! Inútil... Porém mais um! rsrs

    ResponderExcluir
  16. Que maluquice!rsrs...Olha só,Marcel e Barbara,não vou opinar sobre o Lost pq nunca vi esse seriado.Mas ouvi o podcast,e li quase...todos os comentários....rsrs
    Bom fds pra vcs,bjkas

    ResponderExcluir
  17. hehehhehe
    alguns comentários bem malucos.. mas, bem legais!

    ;P

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...